AGRONEGÓCIOS – Cesa retoma leilões com imóveis avaliados em R$ 70 milhões

Silos da Cesa em Cachoeira do Sul são avaliados em R$ 5,2 milhões, mas não há data de venda

Silos da Cesa em Cachoeira do Sul são avaliados em R$ 5,2 milhões, mas não há data de venda

CESA/DIVULGAÇÃO/JC

Os leilões de imóveis da Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa) voltam em fevereiro. Pelo menos dez ativos, com valor global mínimo de quase R$ 70 milhões, estão na lista. São silos situados em diversos municípios.

O primeiro leilão será em 19 de fevereiro, de uma das unidades existentes em São Gabriel, na Fronteira-Oeste. São duas unidades em São Gabriel e as demais em Ibirubá, Santa Bárbara do Sul, Erechim, Cachoeira do Sul, Bagé, Cruz Alta, São Luiz Gonzaga, onde fica a estrutura com maior valor – de R$ 21,1 milhões, e Capão do Leão, a segunda com maior preço mínimo, de R$ 14,8 milhões.

Uma área de Passo Fundo queserávendida e é parte da negociação com o sindicato aguarda o desfecho de uma ação civil de reintegração de posse, informou o governo em nota. A companhia espera obter ofertas bem acima do preço mínimo de R$ 16 milhões, pois o terreno fica em área bem localizada na cidade, projeta o Estado.

Segundo o secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do Estado, Covatti Filho, a medida cumpre acordo para quitação dos passivos trabalhistas da estatal já extinta. A venda de ativos ocorre desde 2015. Até agora foram negociados seis imóveis.

A venda do frigorífico de Caxias do Sul quitou mais de 90% da dívida que a Cesa tinha com o Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). A unidade de Estação abateu passivo trabalhista em ação individual.

Os terrenos em Júlio de Castilhos, Nova Prata, Palmeira das Missões e Santa Rosa, já vendidos, integraram acordo judicial com o Sindicato dos Auxiliares de Administração de Armazéns Gerais do Estado do Rio Grande do Sul, garantindo o abatimento de 60% do valor da causa, baixando de R$ 300 milhões para pouco mais de R$ 117 milhões o passivo.

Em abril de 2018, deputados estaduais aprovaram a extinção da companhia. A possibilidade, proposta pelo governo de José Ivo Sartori (MDB, 2015-2018), foi possível após ter sido aceita na Assembleia Legislativa (AL) uma emenda à Constituição do Estado, em 2017, para retirar a obrigatoriedade de plebiscito para privatizar a empresa. A extinção foi acompanhado do aval para liquidação do patrimônio.

O mesmo procedimento é usado agora, mas pelo governo de Eduardo Leite, para conseguir remover a consulta popular para a venda da CEEE, Sulgás e CRM. As três devem ser privatizadas para cumprir um dos itens a ser incluído no acordo do Regime de Recuperação Fiscal em negociação com a União. Proposta de Emenda à Constituição (PEC) foi protocolada na semana passada pelo governo na AL.

Confira as filiais, valor de imóveis e datas dos leilões

São Gabriel I

  • Valor: R$ 3.363.600,00
  • Data: 19/2, às 13h

São Gabriel II

  • Valor: R$ 2.502.000,00
  • Data: 19/2, às 13h

Ibirubá (BRDE)

  • Valor: R$ 6.444.000,00
  • Data: 20/2, às 13h30min

Santa Bárbara do Sul

  • Valor: R$ 2.684.286,00
  • Data: 11/3, às 14h

Erechim

  • Valor: R$ 5.184.000,00
  • Data: 27/3, às 15h

Cachoeira do Sul

  • Valor: R$ 5.226.000,00
  • Data: indefinida

Bagé

  • Valor: R$ 2.748.000,00
  • Data: indefinida

Cruz Alta

  • Valor: R$ 5.686.470,60
  • Data: indefinida

São Luiz Gonzaga

  • Valor: R$ 21.151.876,00
  • Data: indefinida

Capão do Leão

  • Valor: R$ 14.766.070,00
  • Data: indefinda

* Leilão será realizado pelo BRDE

Cesa/Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural

Fonte: Jornal do Comércio