AGRONEGÓCIO | Resultado da produção enche salas de aula

Mercado aquecido faz aumentar procura por formação superior e especializações

Reflexo do bom momento do agronegócio e do mercado de trabalho, a procura por especializações e cursos ligados ao setor ganhou destaque nos últimos anos em diferentes instituições de ensino. E como o Rio Grande do Sul é referência em agricultura e pecuária, muitas regiões recorrem ao Estado na busca por profissionais.
– Recebo muitos pedidos de indicação de fora. A maior parte ligada à produção de soja e de algodão. Aqui, a maior parte das solicitações vem de empresas de fertilizantes – conta Maria Flavia Tavares, coordenadora do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM Sul.
Ainda que para atividades fora da porteira o leque de formação possa ser amplo, as profissões do campo atraíram mais pessoas para as salas de aula nos últimos anos.
– Nas propriedades, os filhos dos produtores também querem conhecer mais para poder assumir os negócios – ressalta Maria Flavia.
Os registros anuais de médicos veterinários no Estado, por exemplo, cresceram 32% entre 2009 e 2013, passando de 433 para 573 graduados. O número de agrônomos aumentou ainda mais, cerca de 151% desde 2003, saltando de 189 profissionais para 476 em 2013, reflexo do aumento no número de universidades que oferecem o curso. Nas especializações, a demanda é diversificada.
– As pessoas buscam entender cada vez mais o seu negócio, e com soluções práticas. A partir dessa demanda criamos programas como para a pecuária de corte, integração lavoura-pecuária e gestão rural – explica Jhussara da Rosa, diretora do Instituto Universal de Marketing em Agribusiness (I-Uma).
Os resultados colhidos em propriedades que contam com auxílio profissional têm sido a principal propaganda para as qualificações. No caso de agrônomos, o salário superior a R$ 6 mil torna a carreira atrativa.
– Ainda há muito campo de atuação – assegura o coordenador da Câmara de Agronomia do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado (Crea), Juarez Morbini Lopes.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *