Agronegócio é o único setor do PIB que deve terminar ano no positivo

 

A garantia é de Giovani Ferreira, porta-voz do Outlook Forum 2015, que neste ano discute “Sociedade Urbana e Economia Rural”

Colheita de arroz na Esalq

Colheita de arroz na EsalqMarcos Santos/ USP Imagem

O convidado do Em Conta desta quarta-feira (9) fala sobre o Fórum de Agricultura da América do Sul (Agricultural Outlook Forum 2015), que se realiza em novembro, em Curitiba. Sobre o tema deste ano, que é “Sociedade Urbana, Economia Rural”, o porta-voz Giovani Ferreira afirma, na Entrevista de Valor, que você pode ouvir no player acima, que “não fosse pelo desempenho do agronegócio que, pelas projeções, termina o ano nos 1,2% positivos, o PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas e serviços produzidos dentro do Brasil) ficaria ainda pior do que os projetados 2,5% negativos”.
Para lembrar a importância do tema do agronegócio na economia brasileira, em especial, e na da América do Sul, Giovani Ferreira lembra na entrevista que a sociedade brasileira está cada vez mais urbanizada e, com isso, muito mais dependente da economia rural, seja no abastecimento em si, seja na segurança alimentar, ou mesmo sob o ponto de vista da economia, da geração de riquezas”.
Ouça também:
PIB: entenda o que é e como é feito o cálculo
Antes da conversa em si, a gente apresenta parte da entrevista do diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), o brasileiro José Graziano da Silva, dada à Laura Gelbert, da Rádio ONU, em que ele diz o seguinte:
“Os dados da América Latina e do Brasil, em particular, onde nós temos quase 50 milhões de pessoas recebendo transferências do Bolsa Família, mostram que essas famílias muito pobres gastam o dinheiro basicamente em comida. Melhoram o nível de alimentação e se tornam mais produtivas. Ninguém trabalha com fome. Ninguém é produtivo com fome. Então, esse gasto das famílias retorna imediatamente para as economias locais, Proteção social é um tipo de investimento no pobre, investimento para ele se tornar um cidadão".
No programa de hoje, a gente ainda apresenta a fala do ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini. Em reportagem de Priscila Mazenoti, o ministro fala dos ajustes no “reposicionamento de estratégias para enfrentar a crise econômica”. Entre os ajustes, o ministro cita inclusive o programa Minha Casa, Minha Vida.
O Em Conta – A Economia Que Você Entende vai ao ar de segunda a sexta-feira, a partir de 12h40, na Rádio Nacional da Amazônia, e de 10h40, na Rádio Nacional do Alto Solimões.
A produção é de Cleide de Oliveira. A edição e apresentação é de Eduardo Mamcasz.
Continue participando: emconta@ebc.com.br

Produtor

Cleide de Oliveira

Fonte : EBC