Agronegócio deve crescer 35% até 2023

Pesquisa prevê safra de 222,3 milhões de t e 35,8 milhões de t de carnes

O agronegócio brasileiro deve crescer 35% nos próximos dez anos. A previsão faz parte de relatório divulgado ontem pelo Ministério da Agricultura. De acordo com o estudo, o responsável pela expansão será a alta do consumo, sobretudo interno. Pelas previsões, a produção de grãos deverá passar de 184,2 milhões de toneladas em 2012/13 para 222,3 milhões em 2022/2023, com potencial de produção que pode chegar a 274,8 milhões de toneladas.

A área total cultivada deverá passar de 67 milhões de hectares para 75,5 milhões de ha em 2023. A expansão está concentrada no crescimento da soja (6,71 milhões de hectares) e da cana-de-açúcar (2,2 milhões ha). O milho também deve ter expansão por volta de 1 milhão de hectares. Arroz, mandioca, trigo, feijão e café mantêm-se praticamente sem alteração ou perdem área. ‘Queremos superar o que está nas projeções’, disse o ministro da Agricultura, Antônio Andrade. Segundo ele, o aumento na produção se dá principalmente pelo aumento da produtividade, e não das áreas de cultivo.

Nos próximos dez anos, o Brasil produzirá mais 9,3 milhões de toneladas de carnes, com o total passando de 26,5 milhões de toneladas para 35,8 milhões de toneladas. As carnes fazem parte de uma cesta mais diversificada, que começa a se formar com o aumento de renda das populações, explica o coordenador geral de Planejamento Estratégico do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques.

Pelo estudo, 58,8% da produção de frango será destinada ao consumo interno no período avaliado. Do total de carne bovina produzida, 75% irão para o mercado interno. Quanto à carne suína, 82,3% serão destinados ao consumo local. No que diz respeito à exportação, as projeções indicam aumento de 13,7% a 59,5% para o frango, de 28,9% a 110,5% para a carne bovina e de 29,4% a 87,3% para suína. Os principais compradores deverão ser os Estados Unidos, seguidos de países africanos, da Rússia e do Japão.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *