AGRONEGÓCIO | Boa safra no mercado de trabalho

Expansão das atividades rurais e dos ganhos do setor aumentou a procura por profissionais em diferentes áreas

Pesquisa recente da Fundação Dom Cabral, de Minas Gerais mostrou que 91% das companhias enfrentam dificuldades na hora de contratar, especialmente profissionais qualificados e as indústrias ligadas à produção agropecuária estão entre as mais afetadas. Esse movimento no mercado de trabalho ligado ao agronegócio é reflexo direto de safras cheias, de preços valorizados das commodities agrícolas, do aumento nas exportações e também da profissionalização das atividades dentro das porteiras.
Com a demanda em alta, não tem sido fácil para empresas do setor, agências de empregos e recrutadores encontrar rapidamente as pessoas certas para as vagas a serem preenchidas. Em 2013, a busca de indústrias do setor por trabalhadores para desempenhar cargos de média e alta gerência cresceu na Região Sul, de acordo com a consultoria de recrutamento e seleção de executivos Asap, que apontou alta de 25% nas contratações para empresas ligadas ao campo nos sete primeiros meses do ano passado.
Na consultoria Michael Page, a percepção foi semelhante. Os 25 profissionais contratados no Rio Grande do Sul em 2013 para funções de gerência em empresas do setor representaram o dobro do registrado no ano anterior.
– Foi um excelente desempenho dentro do segmento de agronegócios, puxado principalmente pela ótima safra de soja – explica o gerente do escritório da Michael Page em Porto Alegre, Fernando Poziomczyk.
Chama a atenção a especificidade das funções (veja as mais procuradas em quadro na página ao lado). Gerente industrial, gerente de projetos e controller, recebem salários que podem alcançar até R$ 30 mil. São cargos de gestão que não exigem necessariamente formação básica em cursos relacionados ao campo, como Agronomia ou Medicina Veterinária. Profissionais graduados em Administração, Engenharia ou Economia ocupam esses espaços, onde o mais importante são especializações em gestão, experiência e interesse do candidato pelo agronegócio.
LOGÍSTICA DEVE DEMANDAR MAIS MÃO DE OBRA EM 2014
A batalha da indústria, hoje, é por melhorias em processos internos como forma de aumentar os ganhos, o que passou a exigir trabalhadores mais qualificados.
– A régua na hora de recrutar é muito mais alta do que há cinco anos – assegura a diretora da Asap na Região Sul, Mariciane Gemin.
De acordo com a representante da Asap, a formação tem peso menor na seleção de executivos quando comparada com outras características.
– Não há obrigatoriedade muito grande em relação à formação. Os cargos gerenciais exigem nível superior completo e uma pós-graduação. Mas ter domínio do inglês e experiência no mercado pontua mais – garante Mariciane.
Para 2014, a manutenção de alta nos números da produção agrícola e pecuária promete um cenário de desafios. A tendência é de que áreas que tiveram dificuldade na safra anterior, como a logística, tenham procura maior.
– Como existe uma previsão de queda nos preços das principais commodities, as empresas tendem a buscar profissionais que pensem na melhoria de performance em pontos que podem ter algum ganho – estima Poziomczyk.
vagner.benites@zerohora.com.br.

VAGNER BENITES

MULTIMÍDIA

 

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *