Agroceres PIC expande sua liderança em genética suína

Divulgação / Divulgação
Segundo Alexandre Rosa, com o investimento a empresa pretende ampliar os negócios e disseminar as vendas de sêmen suíno no Brasil para produção de matrizes

Líder no mercado brasileiro de genética suína, a Agroceres PIC, controlada pelo grupo Agroceres, inaugura hoje a maior unidade do segmento no país. Localizada no município de Fraiburgo, em Santa Catarina, a nova central de genética custou R$ 10 milhões e mais do que quadruplicará a capacidade da empresa.

A planta tem capacidade para alojar 700 suínos machos, que serão capazes de produzir 1,1 milhão de doses de sêmen por ano, de acordo com o diretor superintendente da Agroceres PIC, Alexandre Rosa. A unidade catarinense se soma ao centro de disseminação genética da empresa na cidade mineira de Patos de Minas, onde há capacidade para o alojamento de 180 animais.

Mas a nova unidade da empresa iniciará a produção de sêmen suíno somente em agosto. Até lá, a produção da Agroceres continuará restrita à unidade de Patos de Minas. Nesse período, a central apenas receberá visitas de potenciais clientes, o que não pode ser feito com a unidade em operação devidos aos riscos sanitários.

Com o investimento, a Agroceres pretende não só ampliar os negócios, mas também disseminar as vendas de sêmen suíno no Brasil para a produção de matrizes. Atualmente, as maiores granjas de suínos não compram o sêmen, mas o próprio animal – o macho avô, que ficará encarregado de produzir as matrizes. Nos EUA, maior exportador global de carne suína, as vendas de sêmen do animal avô já respondem por 80% do mercado de genética.

"O Brasil também vai caminhar nesse sentido", aposta Alexandre Rosa, um dos executivos incumbidos da tarefa de convencer as grandes indústrias a adotarem o modelo de compra de sêmen. A confiança do executivo está calcada nos ganhos de produtividade esperados com o novo modelo de disseminação genética.

"Comprar macho ‘físico’ significa ter centrais de genéticas pequenas, que não conseguem ter animais de alto valor genético", afirma Rosa. Por "valor genético" entenda-se ganho de peso, conversão alimentar e qualidade de carcaça.

Com a estrutura da unidade de Fraiburgo, Rosa estima que cada macho alojado conseguirá produzir sêmen para atender 250 fêmeas. Na modelo tradicional, diz, essa relação é de um para 100. "Fizemos um investimento grande em equipamentos. Temos coleta automática de sêmen", afirma o executivo.

Outra vantagem apontada por Rosa é a capacidade de reposição dos machos, trocados por melhorados geneticamente – mais produtivos, segundo ele. Hoje, uma pequena central de genética repõe 50% dos animais a cada ano. Em Fraiburgo, a Agroceres terá uma taxa de, no mínimo, 80%.

Com o início da produção em agosto, a Agroceres PIC prevê atingir plena capacidade até o fim do ano. Segundo ele, os machos levam cerca de seis meses para alcançar o nível de produtividade esperado. "O macho jovem produz pouco", justifica ele.

Conforme o executivo, o investimento de R$ 10 milhões realizado pela Agroceres será amortizado em três anos. A empresa não revela seu faturamento, mas diz que a nova unidade obterá cerca de 25% da receita com as vendas de sêmen dos chamados "machos terminadores", que produzem os animais que vão para o abate. Os outros 75% virão das vendas de sêmen de avôs (que produzem as matrizes) e de bisavôs (que produzem as avós). A unidade de Fraiburgo é toda destinada a produção de fêmeas.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3131584/agroceres-pic-expande-sua-lideranca-em-genetica-suina#ixzz2TvsgYlpj

Fonte: Valor | Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

Compartilhe!