AGRICULTURA – RESULTADOS – Setor de máquinas e equipamentos fecha terceiro ano consecutivo com queda de faturamento

Associação da indústria faturou R$ 84,873 bilhões, 14,4% a menos do que em 2014. Entidade quer incentivos fiscais do governo para renovação das fábricas

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Venda de máquinas agrícolas recua 34,5% em 2015 ante 2014, diz Anfavea
Setor de máquinas agrícolas rejeita aumento da alíquota para o aço
A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) divulgou, nesta quarta, dia 27, seus resultados de 2015 e mostrou que o setor registrou no ano a sua terceira queda seguida no faturamento, de 14,4%, para R$ 84,873 bilhões. As exportações do setor somaram US$ 8,03 bilhões (-16,2% em relação a 2014) e as importações, US$ 18,82 bilhões (-23,3%).

Depois de fechar 45 mil postos de trabalho em 2015, a indústria brasileira de máquinas e equipamentos deve continuar demitindo em 2016. Segundo o diretor de Competitividade, Economia e Estatística da Associação Brasileira da Abimaq, Mário Bernardini, cerca de 20 mil vagas devem ser eliminadas neste ano.

"O ajuste no emprego vai continuar porque ainda não foi totalmente ajustado", disse. Com isso, estima Bernardini, o setor deve terminar o ano de 2016 com cerca de 100 mil empregos eliminados em um intervalo de três anos.

Conselhão

Membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão do governo federal, a Abimaq pretende sugerir ao governo nesta quinta-feira, 28, na primeira reunião do grupo desde 2014, a adoção de incentivos fiscais para que as fábricas instaladas no Brasil renovem seus parques industriais com a compra de máquinas e equipamentos, afirmou o presidente da entidade, Carlos Pastoriza.

“Nós sabemos da dificuldade fiscal que o governo tem neste momento, mas seria importante o governo fazer um esforço para que o parque industrial se renove", disse.

"O parque industrial do Brasil tem uma média de idade de 17 anos, enquanto na Alemanha é media é de oito anos", comparou. "Nosso parque tem hoje máquinas mais antigas e menos automáticas", acrescentou.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *