AGRICULTURA – Indígenas celebrarão colheita durante evento em Mato Grosso

Encontro do Grupo de Agricultores Indígenas deve reunir representantes da Agropecuária, Embrapa e da Funai

agricultura-soja-indigena (Foto: Acervo/Funai)Indígena na lavoura. Safra 2018/2019 dos Paresi teve o plantio de 8,7 mil hectares com soja (Foto: Acervo/Funai)

Indígenas de Mato Grosso celebram, no próximo dia 13 de fevereiro, a chamada Festa da Colheita. Será no Primeiro Encontro do Grupo de Agricultores Indígenas, na aldeia Bacaval, do povo Paresi. De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai), devem participar do evento representantes da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Ainda conforme a Funai, o povo Paresi, formado por cerca de dois mil indígenas, tem se destacado na produção de soja, milho, batata, batata-doce, abóbora, feijão, entre ouros produtos. Na safra 2018/2019, em Campo Novo do Parecis (MT), foram semeados 8,7 mil hectares de soja, mil de milho e 300 de arroz. Para a safrinha, a previsão é de 7,7 mil hectares de milho convencional, 6 mil de feijão, 1,4 de girassol e 500 de milho branco. "A maioria das reivindicações dos indígenas dessa região é em relação ao apoio da Funai para que as comunidades possam plantar em suas terras. Tive a oportunidade de conhecer o trabalho dos Paresi, o que me deixou muito impressionado. Sabemos que se eles não puderem plantar, irão para a beira da estrada, pedir esmolas ", diz, na nota, o presidente da Funai, Franklimberg de Freitas.

O comunicado da Fundação menciona a convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), segundo a qual os indígenas têm o direito de escolher seu modelo de desenvolvimento econômico.

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : GLOBO RURAL