Agricultura familiar – REPÓRTER BRASÍLIA

Agricultores familiares de todo o País iniciaram um intenso trabalho junto ao Congresso Nacional para derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro à lei que estenderia o auxílio emergencial, de 600 reais, ao segmento. O presidente da Frente Parlamentar Mista da Agricultura Familiar, deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB) afirmou que diversos setores já foram contemplados com recursos, políticas e programas durante a pandemia, mas não a agricultura familiar não. O parlamentar disse que "ninguém entendeu esse veto do presidente da República para um projeto que foi votado na Câmara e no Senado, aprovado por unanimidade, fosse vetado pelo residente"

Líderes protestam O parlamentar ressaltou que "na reunião da Frente Parlamentar Mista, por teleconferência, realizada pelo setor, que tanto liderança dos sindicatos, da federação e cooperativa, foram unânimes em protestar contra a decisão do Palácio do Planalto". Segundo Schuch (foto), "todos entendem que não é justo uma categoria tão importante, que produz o alimento que vai a mesa do povo brasileiro, ficar totalmente de fora".

Não tem para quem vender "Os agricultores familiares perderam tudo", lamenta Schuch.

"A feira fechou. Nós tivemos casos de quem faz queijo, ficaram sem comprador. O hotel e o restaurante fecharam". Resultado, salienta o congressista: "as pessoas não têm para quem vender. E além disso, aqui no Sul, nós temos a pandemia e temos os reflexos da seca, muito forte. " Sessões presenciais "Nós já estamos trabalhando. Nós não podemos esperar voltar as sessões presenciais. Está tendo sessão virtual do Congresso, então temos de fazer isso virtual, sem problema nenhum. Mas precisa ser feito", argumenta o presidente da Frente Parlamentar.

Feiras fechadas Mais de 60% dos brasileiros consomem alimentos vindos da agricultura familiar. O segmento precisa ser valorizado e apoiado, afirmou o presidente da Contag, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Agricultura, Aristides dos Santos. Com a pandemia, a maioria dos municípios fechou as feiras, e as feiras eram o ponto de comercialização da agricultura familiar nos municípios brasileiros. Com isso, a situação se agrava, com situações de pessoas perdendo as mercadorias, porque não conseguem comercializar.

Pautar os vetos Os agricultores familiares, mostram com números, a importância do setor, ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM- -AP), e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para tentar fazer com que os presidentes das duas casas legislativas pautem os vetos.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!