Agricultura familiar – REPÓRTER BRASÍLIA

O deputado federal gaúcho Heitor Schuch (PSB) destaca o texto aprovado na Câmara sobre a agricultura familiar. Disse que "com exceção do partido Novo, que acredita que isso é um privilégio, a maioria reconhece a importância do auxílio dado às famílias do setor. É uma política de apoio e recuperação do setor agropecuário que vai ajudar as famílias a sair, com alguma dignidade do problema trazido pela seca, enchente e pandemia".

Agilidade no Senado

"Agora nós estamos esperando que o Senado, que ainda não designou o relator, o faça o quanto antes e vote na mesma direção que foi na Câmara", defende Schuch. O congressista pede pressa para que o presidente da República possa sancionar. "Vota no Senado e vai logo para o Palácio do Planalto."

Números do Rio Grande

"A nossa esperança é que efetivamente o Senado vote e aprove.

Os números dizem que no Rio grande do Sul vão ser 82 mil famílias contempladas. São famílias que não têm aposentados, que estão na atividade rural, que não têm renda superior anual a R$ 28 mil e que todos tenham mais de 18 anos", argumenta Schuch.

Diferença de critérios

"Se a gente for incluir os ribeirinhos, os meeiros. Se a gente for colocar os extrativistas do Norte do Brasil, que pelas nossas contas já receberam os R$ 600,00, porque têm outro enquadramento, eles já estão nos informais, aí já estamos falando de 4 milhões de propriedades rurais, e esse é o número oficial do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)", compara o deputado gaúcho.

Sem inventar moda

"Eu não acredito que o governo (federal) vai querer inventar de novo uma coisa que para ele já trouxe um desgaste e um descrédito muito grande", afirma. "Agora os beneficiados são muito menores em quantidade, porque no aspecto da lei, fica mais restrito, agricultura familiar, empreendedor rural, pescador e apicultor, estas são categorias muito mais enxutas, não vai dar um público muito grande para o governo contemplar. Em termos financeiros esse projeto é muito menos dispendioso para o governo do que o anterior".

Soberania alimentar

"A agricultura familiar é responsável por quase 70% da produção de alimentos no País", afirma o deputado João Daniel (PT-SE, foto), destacando que o projeto "não é só de ajuda ao núcleo agrário, mas sim a todo o Brasil, pois garante soberania alimentar ao País".

Sem alterações

Para o deputado federal gaúcho Giovani Feltes (MDB), "o auxílio para a agricultura familiar aprovado na Câmara é uma medida bastante oportuna e absolutamente necessária". O emedebista defende que no Senado não haja nenhuma alteração no que foi aprovado na Câmara. "Isso traria velocidade para ir à sanção presidencial."

Fonte: Jornal do Comércio