Agricultura dobra exportação em 7 anos

Volume de milho e soja (grão e farelo) embarcado ao exterior se aproxima de 100 milhões de toneladas

Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Produção de cereal estaria abarrotando armazéns se não fossem embarques extras. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo

Produção de cereal estaria abarrotando armazéns se não fossem embarques extras.

  • 04/01/2016 |
  • 19h35 |
  • Da Redação

Texto publicado na edição impressa de 05 de janeiro de 2016

54,3 milhões

de toneladas de soja foram exportadas pelo Brasil entre janeiro e dezembro de 2015. Número é 19% maior que o apurado em 2014 e supera em mais de 4 milhões de toneladas o volume de soja embarcado pelos Estados Unidos na temporada 2014/15.

28,9 milhões

de toneladas de milho brasileiro foram remetidas ao exterior em 2015. Com um salto de 40% sobre o ano anterior, o país renova o recorde de dois anos atrás, quando embarcou 26,6 milhões de toneladas do cereal.

14,8 milhões

de toneladas de farelo de soja deixaram os portos brasileiros no ano passado, um crescimento de 8% sobre os embarques de janeiro a dezembro de 2014. Resultado de 2015 supera também o recorde anterior, de 14,3 milhões de toneladas, registrado em 2012.

98,07 milhões

de toneladas de soja em grão, milho e farelo de soja saíram do Brasil rumo ao mercado internacional em 2015. Marca das 100 milhões de toneladas será atingida em 2016, apenas sete anos depois de o país ter rompido a barreira das 50 milhões de toneladas.

R$ 61,50

foi o preço médio da saca de soja no Paraná em 2015 – cotação 4% maior que a do ano anterior. Com média de R$ 21,68, milho paranaense teve valorização de 7,5% no ano, mostra balanço da Secretaria de Agricultura do Estado.

Veja também

As exportações das principais commodities da agricultura brasileira deram novo salto na escalada que vem dando lastro ao crescimento contínuo na produção. O volume de milho e soja (grão e farelo) embarcado chegou a 98,07 milhões de toneladas, conforme balanço de 2015 divulgado nesta segunda-feira pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) .

Em 2016, o volume embarcado deve ultrapassar a barreira dos 100 milhões de toneladas — seis anos depois de ter rompido a casa de 50 milhões de t. As 98 milhões de toneladas de 2015 representam volume duas vezes maior que as 48,6 milhões de toneladas de 2009.

O balanço de 2015 mostra que houve novo recorde na soja –como vinha sendo cogitado desde o primeiro semestre. O volume embarcado foi 19% maior, alcançando 54,3 milhões de toneladas.

Com o real desvalorizado e as matérias-primas brasileiras mais competitivas, o volume de soja remetido ao mercado externo foi incrementado nos últimos dois meses do ano, em plena entressafra comercial. Em novembro, o Brasil exportou oito vezes mais soja com que no mesmo mês do ano anterior. Em dezembro, o volume foi cinco vezes maior que o do mesmo mês de 2014.

A surpresa ficou por conta do milho (leia abaixo), que teve projeções elevadas nos últimos meses de 2015 e fechou com 28,9 milhões de toneladas, o maior volume já registrado.

O aumento das exportações mostra-se surpreendente mesmo quando comparado ao crescimento da produção. Para dobrar a colheita de grãos, de 100 milhões para 200 milhões de toneladas, o país precisou de 14 anos, ou seja, o dobro do tempo necessário para duplicar o as exportações das principais commodities agropecuárias. Isso indica que o crescimento da produção é voltado justamente ao mercado externo.

As exportações devem continuar crescendo em neste ano devido justamente ao aumento da produção. A safra de soja se aproxima pela primeira vez de 100 milhões de toneladas (leia na página 22) na temporada 2015/16 e a produção total de milho (verão e inverno) tende a manter-se sustentada acima de 80 milhões de toneladas.

O ritmo do crescimento, contudo, deve diminuir diante de uma competição mais acirrada com a Argentina, que, devido a políticas internas desfavoráveis, teve sua participação reduzida no mercado de grãos nos últimos anos.

Fonte: Gazeta do Povo