AGRICULTURA – Conab revisa número, mas mantém safra acima de 210 milhões de toneladas

No quarto levantamento para o ciclo 2015/2016, Companhia considera pontuais problemas climáticos na produção de soja

agricultura_soja_maquina (Foto: Tadeu Vilani/Ed. Globo)

Para a Conab, safra de soja deve ser superior a 102 milhões de toneladas (Foto: Tadeu Vilani/Ed. Globo)

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revisou para baixo sua estimativa para a safra de grãos 2015/2016. Deve sair das lavouras do país um volume de 210,475 milhões de toneladas, de acordo com o quarto relatório de acompanhamento, divulgado nesta terça-feira (12/1). No relatório anterior, publicado em dezembro de 2015, a estimativa era de 210,951 milhões.

Apesar da redução em 476 mil toneladas, o número projetado pela Companhia ainda é recorde para a produção nacional e representa um crescimento de 1,4% em relação ao ciclo 2014/2015, quando a colheita chegou a 207,663 milhões de toneladas.

Cultura que representa praticamente a metade da safra nacional, a soja teve sua estimativa reduzida de 102,459 milhões para 102,110 milhões de toneladas. O número ainda é mais otimista que de algumas consultorias do setor privado, que variam entre 98 e 101 milhões de toneladas. Para a Conab, o atraso de plantio e falta de chuvas em algumas regiões são considerados pontuais.

saiba mais

“A estimativa é que a safra de soja alcance produtividades superiores à safra passada em todos os estados produtores. As condições climáticas são favoráveis na maior parte dos estados produtores, com alguns problemas pontuais em função do atraso do plantio e déficit hídrico em dezembro”, diz o relatório, que mostra uma expectativa de rendimento de 3,073 toneladas de soja por hectare.

Já a produção de milho foi revisada para cima, de 82,043 milhões para 82,327 milhões de toneladas, somando a primeira e a segunda safra. Mesmo assim, é uma queda de 2,8% em relação à temporada passada, que superou os 84,6 milhões.

A baixa maior deve ocorrer na primeira safra, que mantém a tendência de perda de área para a soja. O volume colhido do cereal neste período deve ser de 27,764 milhões de toneladas (-7,7%). A segunda safra deve se manter praticamente estável em relação ao ciclo passado (-0,1%), totalizando 54,562 milhões de toneladas.

A Companhia Nacional de Abastecimento prevê produção 4% menor de algodão neste ciclo agrícola. O volume de caroço deve totalizar 2,254 milhões de toneladas e o de pluma, 1,5 milhão.

As lavouras brasileiras também devem render menos arroz na safra 2015/2016. A Conab revisou o número para baixo em relação ao relatório anterior, ajustando sua estimativa para de 11,921 milhões para 11,628 milhões de toneladas. O volume representa uma queda de 6,5% em relação à safra 2014/2015.

Já a produção de feijão deve ser 7,1% maior, somadas as três safras anuais do Brasil. A quantidade total deve ser de 3,334 milhões de toneladas. O primeiro ciclo deve ser de 1,185 milhão de toneladas; o segundo, de 1,271 milhão e o terceiro de 877,8 mil toneladas do produto.

Em relação às culturas de inverno, a Companhia revisou sua estimativa para a produção de trigo, que deve ser de 5,534 milhões de toneladas neste ano. O número repete o do ano passado. Essas projeções tendem a se consolidar nos próximos meses, à medida que se aproxima o calendário de plantio.

Área

A área plantada no Brasil também sofreu um leve ajuste para baixo na comparação do relatório desta terça-feira e o divulgado em dezembro de 2015. O número passou de 58,554 milhões para 58,454 milhões de hectares. Ainda assim, a superfície é 0,9% superior à da safra 2014/2015.

“Esse fator deve-se unicamente ao crescimento de 3,5% (1,1 milhão ha) da área de soja. As outras culturas apresentaram decréscimo na área de plantio, com exceção da mamona, que teve um crescimento significativo de 56,4%, passando de 82,1 mil para 128,4 mil hectares”, diz o relatório.

POR RAPHAEL SALOMÃO

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *