Agricultores tentam conter avanço de praga na cultura da mandioca no AC

Mandarová está acabando com a produção em grande região produtora.
Área atingida pela lagarta em cinco municípios é de quase 80 hectares.

Os agricultores tentam conter o avanço de uma lagarta no Acre. O mandarová está acabando com a produção de mandioca na região que mais produz farinha no estado.

A região do Juruá é a maior produtora de farinha do Acre. Mais de 100 mil toneladas são produzidas por ano, mas esses números estão ameaçados. A lagarta mandarová atacou plantações inteiras de mandioca em cinco municípios da região.

Em um ataque em Cruzeiro do Sul, em dois dias, a plantação ficou totalmente destruída, um prejuízo de mais de R$ 3 mil para o agricultor Marcelo Cabral. A velocidade com que as folhas são consumidas impressiona.
O Idaf, Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre, disponibilizou inseticidas químicos e biológicos além de equipamentos para pulverizar as plantações.
“Se cada um não fizer o seu dever de casa de ir ao seu roçado pelo menos uma ou duas vezes por semana e identificar o início dessa praga, infelizmente não vamos ter como fazer mais nada”, explica Marcos Pereira de Souza, gerente regional do Idaf.
De acordo com o Idaf, em Cruzeiro do Sul, o cultivo da mandioca para a fabricação de farinha e derivados, ocupa cerca de 20 mil hectares e o ataque dessa praga pode causar um prejuízo de até 30% na produção.
A agricultora Geane Nascimento também teve o roçado tomado pela praga. Ela conta que perdeu metade da produção deste ano. “É impossível combater, matar um tanto de lagarta que tá na roça. Estamos há uma semana matando lagarta e não fez diferença, não”, conta.
Para se manter, Carlenilson Carneiro tenta aproveitar o pouco que restou da plantação. “A roça aqui é pra tudo, para comer, vestir e calçar, aí com uma situação dessas fica difícil”, lamenta.

A área atingida pela lagarta nos cinco municípios é de quase 80 hectares.

Glédisson AlbanoCruzeiro do Sul, AC

Fonte : Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *