Agricultores familiares usam rede social para mostrar produção

O Feira Agrícola Itanhaém, perfil no Facebook que tem quase 2 mil seguidores, é uma alternativa que os agricultores familiares do município de Itanhaém (SP), no litoral paulista, encontraram para expor os produtos e conquistar uma nova clientela para a feira popular que ocorre aos sábados, no estacionamento da prefeitura municipal.
A ideia foi posta em prática pela produtora rural Patrícia Ricomini, 33 anos. A ferramenta é utilizada para compartilhar fotos dos produtos, informações sobre agricultura familiar e benefícios para a saúde com o consumo de frutas, verduras e hortaliças. Para
ela, a colaboração e os comentários dos seguidores são responsáveis pelo sucesso do perfil. “Tem cliente que chega à feira, diz que viu no Facebook e veio conferir pessoalmente.”
Depois do lançamento do perfil no Facebook, as visitas à feira aumentaram cerca de 80%, segundo Patrícia. O perfil dos compradores também mudou: em sua maioria, jovens e até de outras cidades. “Recebi uma encomenda na minha página pessoal de doce de mamão de uma moça lá de São Paulo.”
A gestora municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Luciana Melo, conta que os produtores foram retirados da invisibilidade social e de uma situação financeira ruim e começam a caminhar sozinhos. “Dentro do processo de implantação das Feiras Populares e de outros programas, tínhamos uma estratégia com agricultores, que foi cumprida. Outras conquistas em que eles são protagonistas, como o uso do perfil para atrair mais clientes, nos surpreendem e orgulham”, diz a gestora.
Feira popular – Para a instalação das Feiras Populares no município, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) investiu R$ 218,1 mil e a prefeitura deu contrapartida de R$ 19,8 mil. Desde 2007, o MDS repassou mais de R$ 28,3 milhões para a instalação de 222 Feiras Populares em todo o país.
Além de oferecer os produtos em feiras, os agricultores familiares de Itanhaém vendem para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). (André Luiz Gomes/Ascom-MDS)

Fonte: Diário de Cuiabá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *