AGRICULTOR FAMILIAR QUESTIONA PROAGRO

Anunciado na semana passada pela presidente Dilma Rousseff, parte do Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 gera questionamento entre agricultores familiares gaúchos. A tomada de verba para custeio e investimento para o plantio da safra começa em 1 de julho, mas eles reclamam que não poderão usufruir da remodelação do Proagro, que passará a valer somente a partir de 1 janeiro de 2015.

O governo alega que, com o aperfeiçoamento do seguro, será necessário reformular o sistema operacional junto ao Banco Central. A Contag acredita que falta empenho para agilizar o processo. O Proagro cobre o crédito e a renda de contratos de Pronaf, em caso de perdas causadas por adversidades climáticas.

O vice-presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, argumenta que o maior volume de contratação de financiamentos no Estado concentra-se entre agosto e outubro. ‘Na prática, só poderemos melhorar a proteção da produção na safra 2015/2016’, critica. A expectativa da federação era de melhoria no seguro na ponta, já neste ciclo. ‘Querem vender uma ilusão para o agricultor. É um engodo o que o governo fez’, criticou um dos assessores de Política Agrícola da Federação.

Ao participar do anúncio de R$ 61,7 milhões do governo federal para melhorar a qualidade da água e distribuição de máquinas e equipamentos agrícolas em assentamentos e comunidades quilombolas no Rio Grande do Sul, ontem, na Capital, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, estranhou as críticas, já que todas as entidades, inclusive a Contag, participaram da construção e tinham conhecimento de que o seguro entraria em vigor em janeiro de 2015. ‘Todo mundo sabia que seria assim, além do mais, acredito que foi muito positivo, porque foi anunciado e assegurado. Agora, todos sabem da complexidade da adoção de um novo modelo.’

Principal repassador do crédito agrícola no país, o Banco do Brasil confirmou que não há nenhuma expectativa de operar os novos limites do Proagro em 2014 devido à necessidade da normatização do Bacen. Apesar disso, o presidente da Contag, Alberto Broch, disse que está em curso uma negociação para reverter a situação. ‘Participamos das discussões da política para o plano como um todo, não ficamos em cima de datas, embora, durante o processo, tenham sido relatadas dificuldades de implantação devido à adequação no Banco Central.’ À tarde, Rossetto esteve reunido com movimentos sociais na Capital.

» O Proagro

Até dezembro de 2014

A União assegura 65% do custo de produção no limite de R$ 7 mil além do valor financiado.

A partir de 1º janeiro de 2015

A União irá garantir 80% da receita bruta estimada, com limite de cobertura de R$ 20 mil além do valor financiado.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *