AGCO busca ampliar mercado de colheitadeiras

Daniel Wainstein/Valor / Daniel Wainstein/Valor
Carioba: AGCO não está satisfeita com presença em colheitadeiras no Brasil

A nova linha de pintura da fábrica de colheitadeiras das marcas Massey Ferguson e Valtra, inaugurada ontem em Santa Rosa, no noroeste do Rio Grande do Sul, é o primeiro passo da americana AGCO para alcançar uma participação de 25% do mercado brasileiro do segmento em 2016. Com a nova área, a capacidade de produção da planta passará das atuais 150 para 200 máquinas por mês a partir de setembro próximo, informou o vice-presidente sênior da companhia para a América do Sul, André Carioba.

"Não estamos satisfeitos com nossa presença [no mercado de colheitadeiras] no Brasil e na região", afirmou o executivo. De acordo com ele, a expansão agregou mais 7,5 mil metros quadrados de área construída à fábrica (até então com 45 mil metros quadrados), que abrirão espaço para novas linhas de montagem a partir de setembro, e incluiu a instalação de equipamentos de pintura que vão aumentar em 40% a vida útil das chapas de metal usadas na fabricação das máquinas. O investimento foi de R$ 65 milhões.

Conforme o vice-presidente de manufatura da AGCO América do Sul, Henrique Dalla Corte, a fábrica de Santa Rosa produzirá 1,7 mil colheitadeiras neste ano, com alta de "25% a 30" sobre 2012. O volume corresponde a mais de 90% da capacidade instalada atual e a expansão, concluída em 15 meses, dará uma "folga" para o crescimento programado para os próximos anos, acrescentou Carioba.

Segundo Dalla Corte, a companhia também prevê entre 25% e 30% de crescimento nas vendas domésticas de colheitadeiras das duas marcas, ante as 1.084 comercializadas no atacado em 2012. No primeiro quadrimestre deste ano, as vendas combinadas da Massey Ferguson e da Valtra cresceram 25,9% sobre igual período de 2012, para 457 unidades, conforme os dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O mercado total, porém, avançou 57,9%, para 3.043 colheitadeiras, e a participação da AGCO recuou de 18,8% para 15%, segundo a Anfavea.

Mas agora a companhia quer recuperar o espaço perdido. Sem dar detalhes, André Carioba informou que no ano que vem serão lançados modelos de maior potência e a meta é fechar 2014 já com uma participação de 20% sobre as vendas domésticas totais do setor. As regiões que estão na mira da empresa incluem os Estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Tocantins e Piauí, onde as propriedades rurais passam facilmente dos 20 mil hectares, disse o executivo.

Já a produção de tratores das marcas Massey Ferguson, em Canoas (RS), e Valtra, em Mogi das Cruzes (SP), devem somar 25 mil e 15 mil unidades, respectivamente, neste ano, informou Dalla Corte. Segundo ele, o volume total projetado, de 40 mil máquinas, representa uma alta de 16% sobre o realizado pela companhia no ano passado.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3142554/agco-busca-ampliar-mercado-de-colheitadeiras#ixzz2UgaqLprF

Fonte: Valor | Por Sérgio Ruck Bueno | De Santa Rosa (RS)

Compartilhe!