Adiós, El Niño

O fenômeno El Niño, que traria chuva abundante ao verão gaúcho, está descartado pela meteorologia. Não vem mais nem mesmo enfraquecido. As águas do Oceano Pacífico até podem estar ligeiramente mais aquecidas do que no início do ano, mas não o suficiente para caracterizar um El Niño de verdade. Há, por outro lado, o registro de águas mais quentes no Atlântico, na costa Sul do Brasil, o que favorece o ingresso de frentes frias no Estado. Mas esse fenômeno, isoladamente, pode garantir apenas um volume mediano de precipitação. Em resumo, segundo a meteorologia, não teremos a seca, típica dos anos de La Nina, nem a abundância de chuva das temporadas de El Niño. Os produtores terão de se virar com a pouca água característica de verões normais. Uma razão a mais para não descuidarem do preparo adequado do solo e, principalmente, dos investimentos em irrigação.

Fonte:: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.