Abrasem defende prioridade intelectual em biotecnologia

Entidade considera legítima a Declaração de Princípios firmada entre CNA, Monsanto e 11 Federações Estaduais de Agricultura

por Globo Rural On-line

Editora Globo

A entidade firma a importância do investimento e desenvolvimento em novas cultivares e biotecnologias que aumentem, de forma sustentável, a produtividade em campo

A Associação Brasileira de Sementes e Mudas (Abrasem)divulgou uma carta em defesa à propriedade intelectual em Biotecnologia, base das pesquisas agrícolas no País e no mundo. De acordo com o documento, a entidade legitima aDeclaração de Princípios firmada entre a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a empresaMonsanto e 11 Federações Estaduais de Agricultura, "em prol do reconhecimento dos direitos de propriedade intelectual sobre tecnologias agrícolas bem como da devida remuneração aos detentores dessas tecnologias, a cada uso dessas sementes".
A entidade firma a importância do investimento e desenvolvimento em novas cultivares e biotecnologias que aumentem, de forma sustentável, a produtividade em campo. Além disso, reforça a importância para o uso desementes certificadas, mantendo o Brasil na posição de destaque que conquistou no cenário internacional.
Confira, abaixo, a íntegra da carta:
A Abrasem defende a propriedade intelectual em biotecnologia e a proteção de cultivares como sustentáculos da pesquisa agrícola no Brasil
Na condição de Entidade representativa do Setor de Sementes no Brasil, a ABRASEM – Associação Brasileira de Sementes e Mudas entende que o respeito amplo ao direito de propriedade privada e, particularmente, à propriedade intelectual constituem a base que suporta a pesquisa agrícola no nosso País e no Mundo, pois permite manter sustentável o ciclo investimento em pesquisa/geração de novas tecnologias/disponibilização dessas tecnologias para o agricultor, destinatário final e mais importante de todo esse processo.
A ABRASEM defende o investimento constante e crescente em pesquisa e desenvolvimento agrícola no país. O respeito à propriedade intelectual agrícola é instrumento fundamental para o desenvolvimento de novas cultivares e biotecnologias, necessárias na busca incessante do aumento sustentável da produtividade nacional.
A semente certificada é elo fundamental na cadeia produtiva agrícola, contribuindo para uma regular disponibilização de sementes de reconhecida qualidade para a produção brasileira de grãos. Não respeitar os direitos à propriedade intelectual em cultivares e biotecnologia agrícola representa um retrocesso para o Brasil, afetando a nossa competitividade no cenário do agronegócio internacional.
A ABRASEM fundamentada nos princípios que norteiam sua conduta considera que a Declaração de Princípios firmada entre a CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, a Monsanto do Brasil Ltda. e 11 (onze) Federações Estaduais de Agricultura, em prol do reconhecimento dos direitos de propriedade intelectual sobre tecnologias agrícolas bem como da devida remuneração aos detentores dessas tecnologias, a cada uso dessas sementes, é legitima.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *