ABERTURA DE MERCADO – Café despenca R$ 15 no Brasil pressionado por recuo em Nova York

Confira as principais notícias sobre dólar, mercado agropecuário e previsão do tempo para começar o dia bem informado
Por Canal Rural, com informações da Agência Safras e Somar Meteorologia

café caídoFoto: Pixabay

Os preços do café recuaram entre R$ 10 e R$ 15 por saca no Brasil nesta segunda-feira, dia 28, informou a Safras & Mercado. Assim, poucos negócios foram concretizados ao longo do dia.

De acordo com os analistas, as cotações seguiram o recuo do dólar e dos contratos futuros negociados na Bolsa de Nova York. “Os preços só não caíram mais devido à necessidade localizada dos compradores”.

CAFÉ NO MERCADO FÍSICO – POR SACA DE 60 KG

  • Arábica/bebida boa – Sul de MG: R$ 405 a R$ 410
  • Arábica/bebida boa – Cerrado de MG: R$ 410 a R$ 415
  • Arábica/rio tipo 7 – Zona da Mata de MG: R$ 340 a R$ 345
  • Conilon/tipo 7 – Vitória (ES): R$ 300 a R$ 305

Bolsa de Nova York

O arábica encerrou as operações com preços acentuadamente mais baixos. O fraco desempenho de outros mercados contribuiu para acentuar as perdas.

O petróleo caiu forte na segunda, em meio às preocupações com o crescimento da economia mundial. O clima de aversão ao risco no cenário financeiro pressionou a maioria das commodities.

Na semana passada, o mercado ganhou força técnica, mas não conseguiu romper a barreira lateral e abriu espaço para correção negativa.

“O movimento do café na bolsa continua muito atrelado a outros mercados, em especial ao petróleo. Um avanço mais consistente seria balizado por uma alteração no cenário fundamental, por exemplo, algum problema com a produção de uma importante origem (Brasil, Vietnã e Colômbia”, resumiu o analista de Safras & Mercado Gil Barabach.

CAFÉ ARÁBICA NA BOLSA DE NOVA YORK (ICE FUTURES US) – POR LIBRA-PESO

  • Março/2019: US¢ 102,65 (-4,15 cents)
  • Maio/2019: US¢ 105,80 (-4,10 cents)

Bolsa de Londres

O robusta também terminou o dia com preços mais baixos. Londres acompanhou o desempenho de outros mercados, principalmente do arábica em Nova York e do petróleo.

A situação política nos Estados Unidos e o temos de desaceleração da economia global pesaram na formação dos preços.

CAFÉ ROBUSTA NA BOLSA DE LONDRES (LIFFE) – POR TONELADA

    • Março/2019: US$ 1.508 (-US$ 26)

Soja

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago fecharam a segunda-feira com preços mais baixos. O fraco desempenho de outros mercados, principalmente o petróleo, em meio à maior aversão ao risco no cenário financeiro, e a previsão de chuvas para as regiões produtoras do Brasil completaram o cenário negativo neste início de semana.

SOJA NA BOLSA DE CHICAGO (CBOT) – POR BUSHEL

      • Março/2019: US$ 9,23 (-2 cents)
      • Maio/2019: US$ 9,37 (-2 cents)

Brasil

O mercado brasileiro de soja teve um dia praticamente parado e de preços entre estáveis e mais altos. Chicago e dólar caíram e a sustentação se deu pela retração do produtor, demanda localizada em algumas regiões e elevação nos prêmios de exportação.

SOJA NO MERCADO FÍSICO – POR SACA DE 60 KG

      • Passo Fundo (RS): R$ 76,50
      • Cascavel (PR): R$ 72
      • Rondonópolis (MT): R$ 66
      • Dourados (MS): R$ 68
      • Santos (SP): R$ 77
      • Paranaguá (PR): R$ 78
      • Rio Grande (RS): R$ 78
      • São Francisco (SC): R$ 78

Milho

A Bolsa de Chicago para o milho fechou com cotações mais baixas. O mercado foi pressionado pela queda dos preços do petróleo e pelo fraco desempenho das inspeções de exportação norte-americanas de milho.

As inspeções de exportação norte-americana de milho chegaram a 893.001 toneladas na semana encerrada no dia 24 de janeiro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava o número em torno de 1,05 milhão de toneladas.

MILHO NA BOLSA DE CHICAGO (CBOT) – POR BUSHEL

      • Março/2019: US$ 3,79 (-0,50 cent)
      • Maio/2019: US$ 3,88 (-0,50 cent)

Brasil

O mercado brasileiro de milho iniciou a semana com preços entre estáveis e mais altos. Os patamares seguem firmes, em meio ao bom ritmo das exportações e ao encarecimento do frete, consequência do avanço da colheita da soja.

MILHO NO MERCADO FÍSICO – POR SACA DE 60 KG

      • Rio Grande do Sul: R$ 38
      • Paraná: R$ 36,50
      • Campinas (SP): R$ 42
      • Mato Grosso: R$ 25
      • Porto de Santos (SP): R$ 38
      • Porto de Paranaguá (PR): R$ 37
      • Porto de São Francisco (SC): R$ 37

Dólar

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 0,40%, negociado a R$ 3,7660 para venda e a R$ 3,7640 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 3,7530 e a máxima de R$ 3,7890.


Previsão do tempo para terça-feira, dia 29

Sul

Novas instabilidades se formam no Uruguai e aumentam a chance para chuva na fronteira com o Rio Grande do Sul, assim como em toda a faixa litorânea até o Paraná, onde chove somente na porção leste do estado. Mas a chuva deve ocorrer apenas no fim do dia, na forma de pancadas rápidas, com volumes baixos e trovoadas.

Nas demais áreas da região, o sol predomina ao longo do dia e o tempo fica firme. As temperaturas ficam elevadas e o tempo abafado em toda a região. Destaque para possibilidade de temporais no sul gaúcho.

Sudeste

Ainda temos os ventos úmidos que vêm do mar, favorecendo uma condição de chuva isolada no Rio de Janeiro, Espírito Santo e faixa leste de Minas Gerais.

Todas as demais áreas da região seguem com o tempo firme e com temperaturas bem elevadas. Isso se deve à ação de uma massa de ar seco, que ajuda a inibir a formação de nuvens de chuva.

Centro-Oeste

A chuva perde intensidade em Mato Grosso do Sul e em Goiás. As pancadas que ocorrem serão rápidas e bem isoladas, mas podem ser acompanhadas por trovoadas.

Na porção leste de Mato Grosso do Sul, não há previsão de chuva, assim como no leste goiano. Já em Mato Grosso a chuva ocorre a qualquer hora do dia, e os maiores acumulados estão previstos para o oeste do estado, podendo alcançar os 35 milímetros. Não chove no Distrito Federal.

Nordeste

O tempo fica firme no oeste da Bahia e no sul do Piauí. A chuva pode ser mais expressiva na região do Recôncavo Baiano e também no norte do Maranhão.

Nas demais áreas do Nordeste, a chuva que ocorrer será rápida e isolada, sempre alternada por períodos de sol.

Norte

As instabilidades perdem força no sul do Pará, e a expectativa é para pancadas isoladas e com baixos acumulados. O tempo fica firme em Roraima.

Em todas as demais áreas, a chuva ocorre de maneira isolada, mas com intensidade moderada. Há previsão de chuva volumosa no norte do Pará e Acre.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *