Abertura de mercado anima setor suinícola

Fonte: SUÍNO CULTURAL INDUSTRIAL

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) anunciou ontem, 29, a reabertura do mercado da África do Sul para a carne suína brasileira, derrubando a última barreira contra as importações do Brasil levantada a partir do surto de febre aftosa que atingiu Paraná e Mato Grosso do Sul, em 2005. A medida foi considerada um "marco" pelo Ministro Wagner Rossi e comemorada como "vitória" pelo setor.

Depois na notícia que abalou a atividade suinícola quanto às exportações russas, a suinocultura vê uma ponta de esperança nessa fatia de mercado, já que internamente os valores de comercialização não têm atendido as necessidades do setor. Segundo a Abipecs, é essencial a conclusão de todos os trâmites burocráticos necessários para a retomada imediata dos embarques de carne suína para a África do Sul. "A crise que o setor enfrenta exige isto", afirma o presidente, Pedro de Camargo Neto.

Já sobre o embargo da Rússia, o governo decidiu reduzir, de 210 para 140, as unidades frigoríficas habilitadas a exportar os produtos ao parceiro comercial, decisão tomada por conta da pressão de industriais e produtores para tentar acelerar a derrubada da medida russa. O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, anunciou ontem que uma missão brasileira desembarcará na segunda-feira, em Moscou, para dar "todas as explicações técnicas" ao czar da área sanitária russa, Sergei Dankvert. "Eliminamos plantas inadequadas, aquelas que estavam na lista, mas não exportavam havia mais de 18 meses, e exigimos total adequação às normas russas das demais unidades", disse Rossi.

Já as notícias no mercado interno ainda preocupam os suinocultores das principais regiões produtoras do país. O alto custo de produção continua sendo o grande vilão desse período de dificuldades. A expectativa do setor é que a audiência pública realizada ontem na Câmara dos Deputados traga resultados efetivos, já que a CONABjunto ao governo propuseram de forma imediata liberar mais milho para venda balcão, uma medida paliativa para o problema atual. A expectativa é que o mercado aqueça na próxima semana, período de início de mês em que a população está com poder de compra maior.

No estado de São Paulo, a bolsa de suínos definiu a manutenção dos preços, sem alteração do valor comercializado na semana passada, que foi de R$ 2,13 a 2,18 pelo quilo do suíno vivo, conforme informou a Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS). Os mineiros também permaneceram na mesma situação, preferindo manter os preços de venda, sem grandes alterações, que segundo a Associação de Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg) ficou em torno de R$ 2,30.

Assim como nos outros estados produtores, a situação da região do Sul do país também não está favorável. Há mais de 20 dias em queda nos valores, os suinocultores de Santa Catarina, estão comercializando o quilo do suíno vivo a R$ 1,80 – um dos menores valores de venda, segundo informou a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS). No Mato Grosso, nem o baixo valor de insumos – farelo de soja e milho – tem auxiliado os produtores que estão recebendo R$ 1,50 pelo quilo do suíno vivo, segundo dados da Associação de Criadores de Suínos do Mato Grosso (Acrismat), tendo hoje mais de R$ 50 reais de prejuízo por animal.

Depoimentos:

"Esta não é apenas uma crise de mercado da carne, mas sim de vários fatores como: dólar baixo frente ao real, inviabilizando a exportação, excedente de carne de frango no mercado, deixando a carne suína em forte desvantagem em relação ao comparativo de preços".

Losivanio de Lorenzi, presidente da ACCS.

"O custo de produção de 1 kg de suíno está em R$ 2,15 e o preço de venda está R$ 1,50, uma diferença negativa de 76 centavos, por isso precisamos da isenção para tentar equalizar as cifras. O preço do milho e do farelo está elevado, encarecendo ainda mais o custo para produzir a carne".

Custódio Rodrigues de Castro Jr, Secretário-executivo da Acrismat.

"Só os produtores estão pagando a conta dessa crise. Se o suinocultor está quebrando, os frigoríficos também não atingem suas margens de sustentabilidade e o preço na baixa na gôndola, alguém está lucrando com essa situação. Precisamos de uma reação do mercado urgente"

Valdomiro Ferreira, presidente da APCS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *