A safra agrícola brasileira deve bater um novo recorde neste ano, com mais de 240 milhões de toneladas.

A produção agrícola brasileira deve bater uma nova marca neste ano, atingindo 243,1 milhões de toneladas. A estimativa foi divulgada nessa quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Caso se confirme a previsão, o volume vai superar a colheita recorde registrada em 2019, quando avançou 6%, chegando a 241,5 milhões de toneladas.

O avanço estimado é de 1,6 milhão de toneladas (0,7%) em relação ao ano passado. A previsão é influenciada pela produção de quatro dos cinco produtos de maior importância no agronegócio brasileiro: algodão herbáceo, feijão, arroz e soja. Somente o milho deverá ter uma produção menor neste ano, por conta do declínio da primeira safra.

Segundo o IBGE, somente a colheita da soja deve avançar 7,8% em 2020, com um total de 122,4 milhões de toneladas no país, 8,9 milhões de toneladas a mais que a maior produção da leguminosa, registrada em 2019. Se confirmada a previsão, será a maior colheita do produto do mundo, superior à dos Estados Unidos.

A expectativa é puxada pelo Mato Grosso, maior produtor de soja do País, que tem colheita estimada em 33 milhões de toneladas, um crescimento de 2,2% em relação a 2019. O Paraná, segundo colocado, espera produzir 19,8 milhões de toneladas, aumento de 22,5%, recuperando-se de um 2019 em que teve sua safra comprometida pelas severas restrições de chuvas e o excesso de calor durante o ciclo da cultura.

De acordo com o pesquisador Carlos Barradas, do IBGE, o recorde consecutivo ocorre após uma quebra de safra em 2018, comprometida por problemas climáticos de seca e aumento de temperatura enfrentados em estados como Paraná, São Paulo, Goiás, Bahia, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

"Em 2018, a soja apresentou uma retração de 3,7% na produção, de 2,6% na área e de 6,2% no rendimento médio", explica. "Já em 2019, as chuvas vieram mais cedo e pôde-se antecipar o plantio e a colheita da soja, principal item da produção brasileira de grãos. Com isso pôde-se também antecipar o plantio do milho, que puxou a expansão da safra 2019. O recorde de 2020 deve-se à expansão de 7,8% na estimativa de produção da soja." Desempenho anterior A safra nacional em 2019 bateu recorde de 24,5 milhões de toneladas em 2019, superando em 3,1 milhões de toneladas a produção registrada em 2017, melhor ano da série histórica acompanhada pelo IBGE. Se comparada a colheita registrada em 2018, o avanço é de 6,6%.

O aumento foi puxado pelo milho, que deve ter uma produção recorde de 100,6 milhões em 2019, o que representa um aumento de 23,6% frente a 2018. Segundo Barradas, houve uma conjuntura de preços que incentivou o plantio do milho de segunda safra, como o desempenho da China e do clima para o cultivo.

O algodão também deve bater um recorde da série história do IBGE.

Na safra deste ano, a produção deve chegar a 6,9 toneladas, um aumento de 39,8% na relação com o ano anterior.

O aumento no plantio do grão ocorre em função da melhora nos preços do produto.

Em contrapartida, a produção de soja e o arroz, porém, diminuiu.

A estimativa aponta para uma colheita de 11352 milhões de toneladas de soja em 2019, o que representa uma retração de 3,7% em relação ao ano passado. Já o arroz teve queda na produção por consequência da redução de 8,6% na área plantada.

Em 2019, a área total a ser colhida deve ser de 63,2 milhões de hectares, um crescimento de 3,7% frente à área colhida em 2018, aumento de 2,3 milhões de hectares.

Fonte: O Sul

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *