A partir de 1º de janeiro manter arma sem registro passa a ser crime

Os proprietários de armas de fogo têm prazo até esta quinta, dia 31, para registrá-las na Polícia Federal (PF). Segundo o Ministério da Justiça, depois desse prazo, manter em casa uma arma sem registro é crime de posse irregular e quem o comete está sujeito a pena de um a três anos de prisão. 

O registro da arma é gratuito e pode ser feito nas unidades da Polícia Federal, em estabelecimentos conveniados drugs online à Associação Nacional da Indústria de Armas e Munições e em agências dos Correios. Para fazer o registro nos Correios, é preciso pagar uma taxa de R$ 6,50.

Se a pessoa não tiver interesse em ficar com a arma pode entregá-la ao governo, mas apenas a Polícia Federal está autorizada a receber. De acordo com o Ministério da Justiça, o equipamento pode ser entregue a qualquer tempo e o portador tem direito a uma indenização que varia de R$ 100 e R$ 300, dependendo do calibre.

Dados do ministério indicam que, desde 2005, foram recolhidas cerca de 500 mil armas de fogo, das quais 13,7 mil somente neste ano. No último ano foram realizados 609 mil registros. O Estatuto do Desarmamento, em vigor desde 22 de dezembro de 2003, prevê a possibilidade de os cidadãos terem armas em casa, desde que mantenham o registro atualizado, informa, em nota, o ministério.

A data final para registro não deverá ser alterada, porque os cidadãos tiveram várias chances para fazê-lo.

– O prazo foi prorrogado, houve campanha de esclarecimento, ampliação da rede de atendimento e outras medidas simplificadoras – informou, por intermédio de assessores, o secretário executivo do ministério, Luiz Paulo Barreto.

Para obter o registro, é necessário apresentar comprovante de residência e cópias do RG e do CPF. Se a opção for pela entrega da arma, é necessário portar uma guia de trânsito, disponível no site da Polícia Federal, na qual deverão constar os endereços do local onde a arma está guardada e da unidade cialis rebate da PF para a qual o equipamento será entregue.

Fonte: Canal Rural