Governo autoriza limite maior para resíduo em milho

Na contramão das suas próprias iniciativas para reduzir o volume de agrotóxicos despejados nas lavouras do país, o governo autorizou elevar em dez vezes o limite máximo de resíduo (LMR) no cultivo de milho.

O índice passou de 1 para 10 miligramas por quilo (mg/kg), o que significa que o grão conterá mais resíduos de herbicidas à base do princípio ativo glifosato. A alteração ocorreu porque o agrotóxico passará a ser aplicado na chamada “pós-emergência” do milho, ou seja, após o nascimento da planta. Até então, esse agrotóxico só podia ser usado na “pré-emergência”, ou antes do surgimento da planta.

O aumento no LMR impacta o total autorizado em recomendações de ingestão diária máxima de resíduos de agrotóxicos por pessoa. A alteração no limite de resíduo do milho impactou o índice de Ingestão Diária Aceitável (IDA), uma referência para o máximo que uma pessoa pode consumir. Esse limite global está fixado hoje em 0,042 mg/kg no Brasil. Com a mudança no milho, o IDA total chegou próximo de 35% do permitido pela legislação. Assim, ainda haveria esse espaço de 65 pontos percentuais para elevar os LMRs. O Codex Alimentarius, ligado às Nações Unidas, fixa o LMR do milho em 0,3 mg/kg, por exemplo.

“Claro que a aumentar a exposição das pessoas. Mas muda a prática, aumenta o resíduo”, justifica o gerente-geral de Toxicologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Luiz Cláudio Meirelles. Mesmo com a elevação do limite, segundo ele, “o resíduo está dentro da ingestão diária”. A cultura do milho “suportou”, de acordo com testes da Anvisa, essa inclusão. “À luz do conhecimento, não tem como não seguir dessa maneira”, disse.

Ele admite que aumentar limites não é ideal. “Talvez devêssemos discutir isso antes. Vamos consumir mais resíduos, mas essa decisão deriva da tecnologia de transgênicos [que exige aplicação na pós-emergência], e não passa por aqui”. O glifosato responde hoje, segundo a Anvisa, por 42% do consumo total de agrotóxicos no país.

Contexto

Apesar dos avanços da indústria, que coloca no mercado produtos que exigem menos volumes por hectare para o mesmo grau de eficiência, o mau uso dos agrotóxicos por parte dos produtores é um problema recorrente no Brasil. Em seu último levantamento, a Agência cheap diet pills online Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) observou o uso indiscriminado desses produtos. De 3.130 amostras em frutas, verduras, legumes e grãos à venda para o consumidor, 29% apresentaram problemas, desde uso de defensivos não permitidos para a cultura ou sem registro no país até alto grau de resíduos de agrotóxicos no alimento. Pelo segundo ano, o pimentão teve o maior índice de irregularidades: 80% das amostras foram consideradas insatisfatórias. acomplia medication Em seguida estão uva, pepino e morango. Para o órgão, o resultado é bastante preocupante.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe!