.........

Vaivém – Para banco, soja terá rentabilidade curta na próxima safra

.........

Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

A rentabilidade dos produtores de soja na safra 2017/18, a que será semeada no segundo semestre deste ano, está longe de ser um sonho.

Ao contrário, ela não permitirá erros dos produtores, principalmente no que se refere a um descasamento entre despesas e receitas.

A margem operacional para os proprietários de terra será de 29%, conforme estudo do Itaú BBA. Ou seja, para cada real gasto na produção, o produtor terá uma rentabilidade de R$ 0,29.

Com esse dinheiro, ele ainda terá de pagar outras despesas, como dívidas, financiamento e juros.

Essa lucratividade está próxima da de 2016/17, a safra que se encerra, mas distante da de 2015/16, quando a margem foi de 43%.

Esses cálculos foram feitos com base em custo operacional de R$ 2.217 por hectare, produtividade de 53 sacas e valor de venda de R$ 59 por saca. Os dados se referem ao sudeste de Mato Grosso.

Guilherme Bellotti, analista de agronegócio do banco, diz que "a situação é ainda mais preocupante para o arrendatário".

Dependendo dos custos de arrendamento e da dívida, a rentabilidade desse produtor poderá ser de apenas R$ 7 por hectare. "Não é o melhor dos cenários. Será uma rentabilidade ardida."

A próxima safra exige muita atenção dos sojicultores, na avaliação de Bellotti. Os custos, que, esperava-se, cairiam, estão em alta.

Já os preços, devido à estimativa de repetição da grande safra de 2016/17, estão em queda.

O analista do Itaú BBA destaca o custo do fertilizante. Previa-se uma queda dos preços, mas o produto começa a ter alta em dólar.

Além disso, as vendas estão mais atrasadas neste ano, o que poderá encarecer também a logística da entrega do produto.

Outra preocupação deve ser o descasamento cambial nas operações, destaca Bellotti. O cenário político conturbado poderá trazer volatilidade à taxa de câmbio.

Um dos poucos alívios poderá ser o custo da semente, que, devido à maior oferta neste ano, não está em alta.

As expectativas para o mercado de soja não são muito animadoras porque a produção elevada deverá dar folga ao abastecimento.

Com isso, "o balanço global tende a seguir relativamente folgado, com a relação estoque-consumo andando praticamente de lado", diz Bellotti.

Apesar desse cenário menos favorável para a soja neste ano, em relação aos anteriores, o analista do Itaú BBA não vê redução de área no plantio na safra 2017/18.

*

Leve recuperação – O preço do boi no mercado físico subiu para R$ 128,04 nesta quarta-feira (21), ante R$ 127,16 no dia anterior, conforme cotações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Futuro – O contrato de outubro registrou R$ 119,83 por arroba na BM&FBovespa. Os participantes mais pessimistas do mercado futuro acreditaram que os preços em outubro estarão em R$ 115,64. Os mais otimistas, em R$ 124,02.

Paulo Muzzolon/Folhapress

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha