.........

Vaivém: Motor da balança comercial deve perder US$ 8 bi em 2015

.........

Se as coisas não andaram bem para a balança comercial neste ano, a situação poderá ficar ainda pior em 2015.

Isso porque o carro-chefe da balança comercial, a soja, deverá render US$ 8 bilhões a menos em exportações no próximo ano.

As vendas externas do complexo soja (grãos, farelo e óleo) estão previstas para US$ 30,5 bilhões neste ano, valor próximo dos US$ 30,7 bilhões de 2013.

Em 2015, no entanto, vão ficar entre US$ 23 bilhões e US$ 24 bilhões, segundo estimativas da Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais).

Este ano foi bastante favorável para a soja, cujos preços médios ficaram em US$ 510 por tonelada no porto. No próximo, no entanto, o valor recua para US$ 370.

Rodrigo Leal/Appa

Caminhão desembarca soja em Paranaguá (PR); preço cai e receita será menor em 2015

Caminhão desembarca soja em Paranaguá (PR); preço da commodity cai e receita será menor em 2015

Essa queda ocorre devido à recuperação da safra norte-americana, que atingiu o recorde de 308 milhões de toneladas e elevou os estoques mundiais.

Dependência maior do mundo em relação à soja brasileira e manutenção dos preços elevados fizeram com que neste ano as receitas com o complexo soja superassem as obtidas pelo país com o minério de ferro, tradicional líder nas exportações.

2014 ainda foi um ano de boa renda para os produtores, mas 2015 promete preços menores, principalmente para os que não adotarem um bom programa de vendas.

Mas os produtores terão alguns pontos positivos no próximo ano. Um deles é o dólar, cuja valorização significa um valor maior, em reais, nas receitas dos produtores.

Outro são os novos corredores de exportação que, aos poucos, são incorporados ao sistema brasileiro. Eles devem permitir, aos poucos, uma queda contínua dos preços do frete.

MONSANTO

Uma situação um pouco desconfortável para o produtor, no entanto, é a falta de acertos entre a Abiove e a Monsanto com relação ao recebimento da soja.

A Monsanto negocia para que as tradings façam o controle da soja Intacta no recebimento do grão, tarefa que, para a Abiove, não é dela.

Após muitas reuniões, a associação e a empresa ainda não chegaram a um acordo. A Abiove estipulou um valor médio de remuneração pela Monsanto por essa atividade, mas até a última segunda-feira (15) nenhuma empresa ainda havia feito um acordo com a multinacional.

"Não queremos um impasse, mas isso não é bom para o produtor", diz Carlo Lovatelli, presidente da Abiove.

Segundo ele, a associação é responsável pela compra de pelo menos 65% da soja produzida no Brasil.

Lovatelli acredita em um acerto nessa questão. E as saídas são várias: a remuneração, pela Monsanto, das empresas que compram soja; um arbítrio construtivo monitorado pelo governo entre a associação e a multinacional; ou a contratação, pela Monsanto, de uma empresa que faça a checagem da soja Intacta e garanta a certificação internacional.

Lovatelli diz que a questão deve ser resolvida, caso contrário seria "um tiro no pé" para todos. Há um risco, inclusive, para a imagem do país lá fora, acrescenta.

Consultada, a Monsanto afirmou que continua negociando com cada uma das empresas envolvidas na captação de soja.

2015

O Brasil deverá exportar 48 milhões de toneladas de soja no próxima ano, além de 13,5 milhões de toneladas de farelo e 1 milhão de óleo de soja, na avaliação da Abiove.

A associação prevê que a produção brasileira da oleaginosa atinja 91 milhões de toneladas na safra 2014/15.

Sobre a indicação da senadora Kátia Abreu (PMDB) para o Ministério da Agricultura, Lovatelii diz que -embora ela tenha problemas com alguns setores- é uma boa escolha. Ela tem bom conhecimento do setor e das atividades do ministério, diz ele.

*

Produção O Valor Bruto da Produção das lavouras e da pecuária brasileiras, após crescimento de 2,5% neste ano, deverá ficar estável em R$ 462 bilhões no próximo ano, segundo estimativas de José Gasques, do Ministério da Agricultura.

Quem cresce Enquanto a pecuária (setor que inclui a produção de bovinos, suínos, frango, leite e ovos) deverá subir para R$ 173 bilhões no próximo ano (10% mais), as lavouras recuam para R$ 288 milhões (menos 2%).

Soja Líder no setor, a oleaginosa deverá obter valor de R$ 86 bilhões no próximo ano, 2% mais do que em 2014.

Biodiesel Com a adoção de 7% de biodiesel ao óleo diesel, a moagem de soja para esse setor deverá ser de 15 milhões de toneladas por ano. Para 2020, a Abiove espera uma mistura de 10%.

 

Fonte: Folha

17/12/2014 02h00