.........

Vaivém – Juros para o próximo plano de safra preocupam produtores

.........

Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

O governo anunciou nesta quarta (7) o Plano Agrícola e Pecuário de 2017/18, dinheiro a ser destinado ao produtor rural para custeio, investimento e comercialização.

Não foi, no entanto, o plano dos sonhos para os produtores, devido aos efeitos da crise econômica.

O volume de dinheiro colocado à disposição do produtor e do pecuarista neste ano apenas corrige a inflação dos últimos 12 meses.

A taxa de juros embutida no plano, embora tenha caído, contém um subsídio menor do que o de 2016.

Os recursos que serão destinados aos produtores no período de julho deste ano a junho do próximo serão de R$ 190,25 bilhões, 3,5% mais do que o de 2016/17.

O volume de crédito específico para custeio e comercialização é de R$ 150,25 bilhões, a uma taxa de 7,5% e 8,5%.

Em 2016, quando anunciado o plano, o juro era de 8,5% e 9,5% ao ano, 60% da Selic na taxa inferior.

A taxa de juros deste ano, ao recuar para 7,5%, representa 73% da Selic.

O produtor vai pagar um percentual menor, mas haverá um alívio ainda maior para o Tesouro, que vai subsidiar menos a próxima safra.

E é exatamente essa taxa de juro do custeio que mais preocupa os produtores. Os 7,5% definidos pelo governo são inferiores à Selic atual, que está em 10,25%, mas as projeções do próprio Banco Central indicam um cenário diferente para 2018. A Selic poderá recuar para 8%.

Para Frederico Azevedo, gerente de Política Agrícola da Aprosoja, o produtor corre o perigo de pagar uma taxa de custeio próxima à da Selic no próximo ano.

"Entendo que foi uma briga ferrenha do Ministério da Agricultura com os da Fazenda e do Planejamento, mas essa taxa traz muita preocupação para o produtor, principalmente devido à elevação dos custos."

Entre esses custos, Azevedo inclui os penduricalhos no trâmite da liberação dos recursos dos bancos privados e estatais.

O patamar da taxa fica maior quando o produtor enfrenta burocracia e necessidade de levar para casa seguros acoplados ao financiamento.

Mesmo dentro das limitações econômicas, o governo priorizou dois setores importantes, diminuindo as taxas de juros com mais ímpeto: armazenagem e inovação tecnológica.

A produção brasileira cresce ano a ano e já atinge 230 milhões de toneladas. O aumento da capacidade de armazenagem é imprescindível para que o produtor ajuste melhor o momento de comercialização.

INOVAÇÃO

Já o crédito para a inovação tecnológica teve recuo de dois pontos percentuais, para 6,5%. Essa queda é relevante.

"Foi-se o tempo de tomada de decisão apenas com o olho. A utilização das novas tecnologias tornou-se importante para elevar produtividade na agricultura e na pecuária", diz Daniel Latorraca, superintendente do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária).

Armazenagem e inovação significam "melhorar a comercialização e elevar a rentabilidade do produtor", diz Azevedo.

Paulo Muzzolon/Folhapress

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha