.........

Vaivém – Com pessimismo no mercado, soja cai aos menores preços do ano em Chicago

.........

Colheita de soja em fazenda a cerca de 215 km do município de Paranatinga (MT)

Colheita de soja em fazenda em Mato Grosso

O mercado começa a unir os pontos e chega à conclusão de que o cenário de alta para a soja pode estar acabando. Os motivos são muitos.

Há um pessimismo no mercado financeiro, a supersafra de soja da América do Sul está se confirmando, os Estados Unidos aumentam a área de plantio e os fundos, até então carregando um bom volume de soja, começam a se desfazer desse produto.

O resultado foi a soja cair para os menores preços do ano nesta semana, segundo Daniele Siqueira, analista da AgRural. O contrato de maio caiu para US$ 9,72 por bushel (27,2 quilos).

A queda em Chicago se reflete imediatamente em todas as regiões produtoras do Brasil. E isso ocorre em um momento de câmbio não muito favorável às exportações e de forte pressão nos transportes.

Ruim para os produtores que ainda não venderam a soja da safra 2016/17. E são muitos: pelo menos 55%.

A conjugação de todos esses fatores já provocou uma queda de 6% no preço da soja neste mês na Bolsa de Chicago. Os preços acompanharam a queda no Brasil.

Na primeira primeira semana de março, a saca era negociada a R$ 68 em Cascavel (PR). Nesta terça-feira (28), esteve em R$ 62.

Já a relação de frete da mesma cidade para o porto de Paranaguá subiu para R$ 7,2 por saca, o maior patamar desde 2000, quando a AgRural começou a fazer esse acompanhamento. Quanto maior a diferença, pior para o produtor.

Os fundos de investimentos, que estranhamente mantinham compras elevadas, partiram para as vendas, segundo Daniele.

Em 14 de fevereiro tinham contratos equivalentes a 23,2 milhões de toneladas de soja. No dia 21, esse volume era de apenas 8,9 milhões de toneladas.

Os principais números que afetam o mercado são a safra recorde de soja nos Estados Unidos de 118 milhões de toneladas; a do Brasil está prevista em 110 milhões, e a da Argentina deve chegar a 56,5 milhões de toneladas.

Enquanto o mercado avalia a supersafra de 2016/17, os norte-americanos poderão semear 2 milhões a mais de hectares com soja em 2017/18, segundo Daniele.

MILHO

O milho também recuou para os menores preços do ano na Bolsa de Chicago nesta semana. O contrato de maio foi negociado a US$ 5,58 nesta terça-feira (28).

O segundo semestre vai conviver com os efeitos de dois fatores de peso: a produção recorde da safrinha brasileira e a redução de pelos menos 1,5 milhão de hectares na área de milho nos Estados Unidos na safra 2017/18.

*

Funrural – O STF (Supremo Tribunal Federal) julga nesta quarta-feira (29), pela segunda vez, a questão da inconstitucionalidade da Contribuição Social Rural, o Funrural, cuja alíquota de 2,1% incide sobre a receita bruta da comercialização da produção agrícola devida pelo empregador rural pessoa física.

Inconstitucionalidade – A Andaterra (Associação Nacional de Defesa dos Agricultores, Pecuaristas e Produtores da Terra), que defende os produtores rurais, tem expectativa de que o julgamento confirme a inconstitucionalidade.

Dois pontos – Primeiro, a Andaterra entende que há inconstitucionalidade do tributo porque a aprovação foi por lei ordinária, quando deveria ser por lei complementar.

Isonomia – Segundo, a cobrança do Funrural sobre a receita bruta do agricultor quebra o princípio de igualdade e isonomia tributária, já que a lei estabelece uma tributação maior para o produtor rural empregador do que para o empregador na área urbana e nos demais setores produtivos.

Carga pesada – Para Sérgio Pitt, presidente da Andaterra, a cobrança do Funrural sobre a receita bruta do produtor rural corresponde a 2,83 vezes o que é cobrado sobre a folha de pagamento, como o fazem os empregadores urbanos.

Fertilizantes – O setor de nutrição vegetal vem obtendo crescimento superior a dois dígitos nos últimos anos. A evolução atrai de pequenas a gigantes do setor, elevando o faturamento bruto anual para a casa dos R$ 5 bilhões.

Discussões – Para discutir avanços no setor, a Abisolo (Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal) promove encontro na próxima semana, em Campinas (SP), no qual serão discutidos temas como pesquisa, aspectos regulatórios e perspectivas para o agronegócio.

Eficiência – A utilização de fertilizantes especiais —foliares, biofertilizantes, orgânicos, organominerais, mineralizadores, condicionadores de solo e substratos para plantas— é uma boa alternativa para elevar a produtividade, reduzir custos e preservar o ambiente, segundo Clorioaldo Roberto Levrero, presidente da Abisolo.

Paulo Muzzolon/Folhapress

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha