.........

Vaivém: Casca eleva produtividade em lavoura de coco

.........

A ampliação da venda de água de coco desenvolve paralelamente a atividade agrícola do plantio de coqueiros e da colheita dos frutos no campo.

Com uma industrialização ainda recente na produção de água, a atividade agrícola necessita não só de equipamentos específicos para o controle das lavouras e da colheita como de novas técnicas de manejo da produção.

Em uma fazenda-modelo em Petrolina (PE), próxima a uma das suas fábricas, a Pepsico começa a dar novos rumos a essa atividade. Uma das recentes descobertas foi a de que a casca do coco, até então um problema para a indústria, passou a ser importante aliada na produção, diz Marcelo Zanetti, gerente de Agrobusiness da Pepsico.

Weimer Carvalho/O Popular/Folhapress

Coqueiros em Pernambuco; casca inibe ervas daninhas e reduz uso de água e herbicidas

Coqueiros em Pernambuco; casca inibe ervas daninhas e reduz uso de água e herbicidas

Retirada a água dos frutos, a casca passa por um triturador na indústria e é devolvida ao campo.

A camada de casca na lavoura serve para manter a umidade no solo, reduzindo em até 60% a utilização de água para a irrigação.

Além de fornecer potássio e sódio -reduzindo a necessidade da aplicação de fertilizantes-, a casca inibe o desenvolvimento de plantas daninhas, diminuindo em 50% a utilização de herbicidas.

Com uma busca constante de novos manejos de produção, alguns produtores da região já aumentaram a produtividade em 130% nos últimos quatro anos, atingindo 189 frutos por pé.

A atividade é desenvolvida, em geral, por pequenos produtores, com áreas de um a cinco hectares. Com um clico de produção de até 20 anos, o coqueiro dá fruto a cada 25 dias, obrigando o produtor a manter um trabalho constante na lavoura.

É uma cultura rústica e que ainda necessita da descoberta e aplicação de novas técnicas na lavoura. A utilização de mecanização é pequena, devido à reduzida dimensão nacional da área plantada.

São 300 mil hectares, dos quais 60 mil com coqueiros para a produção de água de coco. Só para efeito de comparação, a área de soja é de 31 milhões de hectares.

Devido à peculiaridade da lavoura, é necessário o desenvolvimento de máquinas especiais, além de produtos químicos específicos para a planta, afirma Zanetti.

A empresa busca parcerias com a indústria de equipamentos.

*

No bolso 1 A evolução contínua dos preços da carne bovina no campo chegou forte ao bolso do consumidor. A pesquisa de preços da Fipe apontou alta de 4,3% nos preços dessa proteína em novembro, a maior do ano.

No bolso 2 A carne suína também mantém alta nos supermercados, com evolução de 3,6%. Em outubro, era 5,5%. Essa redução ocorre devido à queda de preços da arroba de suíno nas granjas.

No bolso 3 A proteína com preço mais acessível ao consumidor é a de frango, cujos preços ficaram estáveis em novembro, em relação aos de outubro. Em setembro, no entanto, a carne de frango havia subido 5,9% para os consumidores.

Solo A FAO diz que 33% das terras têm alto ou médio grau de degradação. Devido à importância, o solo precisa ser integrado a novos debates. A Sociedade Nacional de Agricultura realiza hoje (5) encontro preparatório para a conferência "Governança do Solo", em março de 2015, o ano do solo, em Brasília.

Exportações 1 A Abpa (Associação Brasileira de Proteína Animal) aponta que as exportações de carne de frango somaram 3,65 milhões de toneladas até novembro, 2,4% a mais que em 2013. As receitas foram a US$ 7,27 bilhões, com queda de 1%

Exportações 2 As exportações de carne suína somaram US$ 1,48 bilhão no ano, 18% mais do em 2013. Já as 456 mil toneladas registraram queda de 5,1% até novembro.

Fonte: Folha

05/12/2014 02h00