.........

Vaivém – Alta do dólar incentiva exportação de etanol do país

.........

 

As exportações de etanol se mantêm em patamares elevados nesta primeira semana de mês. O volume repete o de julho e fica em 9 milhões de litros por dia útil.

Ao registrar esse volume, as vendas externas do combustível têm boa evolução em relação aos 3,7 milhões de litros por dia útil em agosto do ano passado, conforme dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

As exportações de julho apontaram uma forte reversão do movimento de baixa que vinha ocorrendo desde o início da safra, segundo Julio Maria Borges, sócio-diretor da JOB Economia e Planejamento.

Essa evolução das exportações mostra que o setor incorporou os efeitos positivos da desvalorização cambial.

"O nosso etanol, seja ele para uso como combustível ou para outros fins, ficou barato em dólares, o que estimulou as exportações."

Borges destaca que o preço médio da exportação de etanol no período de abril a julho de 2014 foi de US$ 673 por metro cúbico. O dólar médio foi de R$ 2,33 naquele período.

Já nos meses de abril a julho deste ano, o preço do etanol exportado foi menor, ficando em US$ 489 por metro cúbico. Nesse mesmo período, o dólar médio foi de R$ 3,10.

Borges destaca, ainda, que em reais não houve variação relevante nos preços de exportação.

Neste início de agosto, o etanol exportado foi negociado a US$ 445 por metro cúbico, bem inferior dos US$ 632 do mesmo mês do ano passado.

Apesar da queda nos preços, as receitas devem atingir US$ 84 milhões neste mês, acima dos US$ 78 milhões de agosto de 2014.

*

Safra de grãos atinge recorde de 209 milhões de toneladas

O mais recente levantamento de safra da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) aponta uma safra de 298,8 milhões de toneladas de grãos em 2014/15. Esse volume supera em 15,2 milhões o de igual período anterior.

A safra foi impulsionada pela produção de milho safrinha, que deverá atingir 54 milhões de toneladas, acima dos 48,4 milhões de 2013/14.

A produção total de milho do país, incluindo a safra verão, somou 84,3 milhões de toneladas, 5% mais do que a anterior, segundo a Conab.

A safra de soja, principal produto da pauta brasileira de produção e de exportação, deverá subir para 96,2 milhões de toneladas, 10 milhões mais do que no ano anterior.

Apesar de perder o posto de maior produtor de milho, a região Sul mantém a liderança em produtividade.

A média foi de 6.610 quilos por hectare, acima dos 6.024 do Centro-Oeste, a segunda melhor no ranking.

Quando se trata de soja, a produtividade das duas regiões são semelhantes, atingindo 3.067 quilos por hectare.

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pelaFolha, soma mais de 38 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha