.........

Usinas de SP se eximem de responsabilidade por incêndios em canaviais

.........

A entidade que representa as usinas de cana-de-açúcar do Centro-Sul, a Unica, afirmou ontem que os canaviais da indústria em São Paulo têm sido vítimas de incêndios criminosos, potencializados pela forte estiagem que persiste desde o início do ano. A presidente da Unica, Elizabeth Farina, afirmou que as usinas paulistas têm tido prejuízos tanto com a perda de produtividade resultante da queimada de cana em desenvolvimento, quanto com a aplicação de multas ambientais indevidas.

A estimativa da entidade é de que 5% da área colhida de cana no Estado tenha sido atingida por incêndios nesta safra 2014/15. "Há usinas que tiveram 25% de sua área de cana queimada por esses incêndios criminosos, que já estão sendo investigados", afirmou o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues.

Somando-se o efeito desses incidentes à forte estiagem presente desde o início deste ano, a perda de produtividade agrícola no Estado de São Paulo deve chegar a 15% nesta temporada, segundo a Unica. Essa perda é equivalente a um volume de quase 40 milhões de toneladas de cana.

Nos cálculos da entidade, a queima da cana em áreas em que a planta não teve tempo de se desenvolver gera uma perda média de R$ 1,5 mil por hectare em São Paulo, o equivalente a mais de 15% do faturamento obtido pela usina na área. Segundo Rodrigues, muitos dos incêndios atingiram áreas que já haviam sido colhidas e cujas plantas estavam em fase de rebrota. "Nessas circunstâncias, há um atraso significativo no desenvolvimento da planta, com perda de produtividade na safra seguinte. Agora, vamos avaliar as perdas para o ano que vem", afirmou.

Na safra 2013/14, o índice de colheita sem o uso do fogo atingiu 83,7% da área total com cana no Estado, ante 34,2% verificados em 2006/07, quando a mecanização começou a se intensificar. A estimativa da entidade é de que em 2014/15 esse percentual fique em 90%. "Nos últimos sete anos foram feitos investimentos superiores a US$ 5 bilhões para a compra de máquinas e equipamentos utilizados na mecanização da colheita. Atualmente há mais de 3 mil colheitadeiras operando em São Paulo", observou Rodrigues.

Segundo a Unica, a baixa incidência de chuvas neste ano tem aumentado os focos de incêndios não apenas em áreas de cana, mas também em áreas de outras culturas.

Conforme informações da Polícia Militar Ambiental e de outros órgãos do governo estadual citadas pela Unica, até o início de setembro já haviam sido registrados 2.981 focos de queimadas e incêndios florestais no Estado de São Paulo, número 140% maior que o verificado no mesmo período de 2013.

O diretor técnico da Unica destacou, no entanto, que essas perdas causadas por incêndios já estavam inclusas na revisão de safra feita mês passado pela entidade. "Portanto, esses incidentes não mudam a previsão de moagem que divulgamos, que é de 545,89 milhões de toneladas".

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3708186/usinas-de-sp-se-eximem-de-responsabilidade-por-incendios-em-canaviais#ixzz3EEk5bxE8

Fonte: Valor | Por Fabiana Batista | De São Paulo