.........

USDA prevê oferta menos folgada para a oleaginosa

.........

Ainda que tenha confirmado o cenário traçado nos últimos meses, o relatório de oferta e demanda de grãos divulgado ontem pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) indicou para a atual safra 2014/15 um quadro um pouco menos "folgado" do que o previsto em novembro para a soja.

O órgão fez um leve ajuste para cima em sua projeção para a colheita global da matéria-prima, agora calculada em 312,81 milhões de toneladas (quase 10% mais que em 2013/14), mas também elevou sua previsão para a demanda. O saldo dessas mudanças foi uma pequena queda dos estoques finais mundiais, mas as 89,87 milhões de toneladas estimadas ainda representam um expressivo incremento de 35% na comparação com o ciclo anterior.

O USDA manteve sua projeção de um recorde de 107,73 milhões de toneladas para a colheita nos EUA, recém-concluída. Mas ajustou para 47,9 milhões de toneladas (quase 1,1 milhão a mais que em novembro) o cálculo para as exportações, o que reduziu os estoques finais do país para 11,16 milhões de toneladas – quase 2,5 vezes mais que ao fim da safra 2013/14.

Assim, a tendência é que os EUA voltem a liderar a produção e as exportações globais do grão, já que a safra 2014/15 do Brasil (em fase final de plantio) foi mantida em 94 milhões de toneladas, ante 86,7 milhões em 2013/14, e a previsão para os embarques caiu a 46 milhões, abaixo das 46,83 milhões da temporada passada. O USDA manteve em 74 milhões de toneladas a expectativa de importação da oleaginosa pela China – quase 66% do total global.

Quanto ao milho, o USDA reduziu de 51,01 milhões para 50,75 milhões de toneladas a projeção para os estoques de passagem nos EUA, contrariando analistas, que acreditavam em uma elevação. Ainda assim, o volume é 61,6% superior ao do fim do ciclo passado. Já a estimativa para os estoques globais cresceu de 191,5 milhões para 192,2 milhões de toneladas.

O USDA também elevou a perspectiva para a colheita mundial de milho, frente ao mês passado, de 990,32 milhões para 991,58 milhões de toneladas – 2,3 milhões de toneladas acima do ciclo anterior. O plantio da safra 2014/15 do grão está em andamento no Hemisfério Sul, enquanto a colheita está praticamente encerrada no Norte. Em relação aos EUA, maior produtor mundial de milho, o órgão manteve a projeção em 365,97 milhões de toneladas, um novo recorde (3,43% à frente de 2013/14).

Para a América do Sul, o USDA também manteve a projeção para colheita e exportação de milho do Brasil, em 75 milhões e 19,5 milhões de toneladas, respectivamente. O destaque ficou por conta da Argentina: o órgão cortou em um milhão de toneladas a estimativa de produção, para 22 milhões de toneladas, e de exportação, para 12 milhões.

Também na contramão do que o mercado esperava, o USDA elevou a estimativa para o estoque global de trigo ao fim de 2014/15 em 1,03%, ante novembro, para 194,9 milhões de toneladas. A produção mundial do cereal foi estimada em 722,18 milhões de toneladas, avanço de 2,32 milhões ante novembro – e 7,41 milhões acima de 2013/14.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3812278/usda-preve-oferta-menos-folgada-para-oleaginosa#ixzz3LaoIUDuI

Fonte: Valor | Por Mariana Caetano, Fernando Lopes e Luiz Henrique Mendes | De São Paulo