UE suspende seis plantas brasileiras de pescados

Juan Carlos/Bloomberg

A União Europeia comunicou ontem o Ministério da Agricultura que proibiu a entrada de produtos de seis fábricas brasileiras processadoras de pescado em seu mercado. A medida foi adotada após auditoria realizada por técnicos da UE no Brasil de 11 a 22 de setembro. As unidades suspensas não foram reveladas.

Em carta enviada ao ministério, à qual o Valor teve acesso, a Comissão Europeia identificou "graves falhas" e "deficiências" no sistema brasileiro de controle do segmento pesqueiro. Fiscalização deficiente das indústrias, falta de higiene dos barcos, rastreabilidade precárias e falhas no controle da temperatura dos pescados foram alguns dos problemas identificados.

Segundo a UE, o Brasil não vem cumprindo exigências anteriores para melhorar a fiscalização de seu pescado. Além disso, as "ações corretivas" recomendadas pelo bloco se mostraram "ineficientes". A Comissão Europeia também solicitou ao Ministério da Agricultura que suspenda voluntariamente toda a certificação de pescado brasileiro para a UE por causa das deficiências.

Procurado, o secretário de Defesa Agropecuária do ministério, Luís Eduardo Rangel, confirmou as recomendações da UE. Mas ponderou: "Suspenderam as plantas, não suspenderam o mercado".

A precária estrutura administrativa e financeira da Secretaria da Pesca – que até o início do ano era ligada ao Ministério da Agricultura, depois migrou para o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) e agora está de mudança para a Presidência da República – também é apontada por técnicos do governo como um dos obstáculos às melhorias no controle do segmento.

Por Cristiano Zaia | De Brasília

Fonte : Valor