Triticultores tentam prorrogar norma

Fonte: Correio do Povo

Determinação da Anvisa sobre micotoxinas entra em vigor em janeiro

O setor tritícola mobiliza-se para tentar prorrogar a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre limites máximos tolerados de micotoxinas no cereal de inverno. Prevista para entrar em vigor em 1 de janeiro de 2012, a norma pretende evitar que produtos contaminados com deoxinevalenol (Don), subproduto do fungo da giberela, sejam comercializados ou consumidos. A substância é nociva à saúde de homens e animais, pois acumula-se no fígado, prejudicando o crescimento. Representantes da cadeia produtiva devem encaminhar, em breve, pedido de revisão de prazo e parâmetros ao Ministério da Agricultura. O assunto também será debatido hoje durante o 18 Congresso Mundial do Trigo, no Rio de Janeiro. Ontem, no evento, o governo federal anunciou R$ 150 milhões em mecanismos de apoio para a atual safra, 50% a mais que o previsto.
Na avaliação do presidente da Comissão de Trigo da Farsul, Hamilton Jardim, que participa da mesa-redonda com a Anvisa, o triticultor pode ser penalizado, tendo que incinerar parte de sua produção. "Não existem fungicidas altamente eficientes para combater a giberela", reclama. Como o fungo se prolifera com a umidade e penetra na planta durante a floração, o pesquisador da Embrapa José Maurício Fernandes, defende que os produtores podem sim evitar a contaminação desta fase até o período de enchimento de grãos.
O presidente da Fecoagro, Rui Polidoro Pinto, avalia que o Estado foi beneficiado pelo clima nesta safra. "Como não teve tanta umidade, temos produto de qualidade."