.........

Supremo julga concessão de aposentadoria especial

.........

Nelson Jr./SCO/STF
Ministro Luiz Fux: trabalhador não terá direito à aposentadoria especial se for fornecido equipamento de proteção

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar ontem se o trabalhador que usa equipamento de proteção individual (EPI) em condições insalubres tem direito à aposentadoria especial. Depois de um voto contrário do relator, ministro Luiz Fux, a análise do caso em repercussão geral – sobre exposição a ruído – foi interrompida por um pedido de vista do ministro Roberto Barroso.

No caso, o trabalhador desenvolveu suas atividades entre 2002 e 2006 em ambiente com ruído em níveis superiores a 90 decibéis e recebeu equipamento de proteção individual. O caso chegou ao Supremo por meio de recurso do INSS contra acórdão da 1ª Turma Recursal da Seção Judiciária de Santa Catarina.

A segunda instância entendeu que o uso de equipamento de proteção individual, ainda que elimine a insalubridade, em casos de exposição a ruído, não descaracterizaria o tempo de serviço especial prestado.

Para o INSS, porém, estando patente e confirmada a eficácia do equipamento de proteção distribuído, o trabalhador não teria direito ao benefício.

Em defesa do INSS, o procurador-geral federal Marcelo Siqueira Freitas afirmou que a única condição para aposentadoria com tempo de contribuição menor que o ordinário seria, de acordo com a Constituição, o prejuízo à saúde, o que não ocorreria com o uso do equipamento.

O advogado do trabalhador, Luiz Hermes Brescovici, por sua vez, citou em sua defesa a Súmula 9 da Turma Nacional de Uniformização, segundo a qual o uso de equipamento de proteção individual, ainda que elimine a insalubridade, no caso de exposição a ruído, não descaracteriza o tempo de serviço especial prestado.

Para a advogada Gisele Lemos Kravchychyn, que se manifestou pelo Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (amicus curiae), o equipamento de proteção não elimina o agente nocivo do ambiente de trabalho, uma vez que, no caso em questão, o ruído teria outros efeitos à saúde além do impacto no sistema auditivo.

Segundo Gisele, o custeio para o benefício tem previsão expressa e legal e o trabalhador não poderia ser prejudicado até mesmo por eventual não pagamento por parte do empregador.

Para Fux, porém, não caberia acesso à aposentadoria especial quando ao trabalhador é fornecido o equipamento de proteção adequado e de comprovada qualidade. Em seu voto, o ministro afirmou que o caso sob exame possui íntima conexão com um dos temas mais caros aos trabalhadores, o direito à saúde.

A aposentadoria especial está prevista no artigo 201 da Constituição. No artigo consta que é vedada a adoção de requisitos e critérios diferenciados para a concessão de aposentadoria aos beneficiários do regime geral de previdência social, ressalvados os casos de atividades exercidas sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física e quando se tratar de segurados portadores de deficiência, nos termos definidos em lei complementar.

O julgamento foi interrompido por pedido de vista do ministro Roberto Barroso. Segundo a votar, ele acompanhou o relator no mérito, mas manifestou dúvidas quanto ao caso concreto. O ministro destacou que qualquer medida tomada nos casos previdenciários onera a próxima geração, que terá que contribuir mais ou se aposentar mais tarde.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/legislacao/3682034/supremo-julga-concessao-de-aposentadoria-especial#ixzz3CLsDj6MJ

Fonte: Valor | Por Beatriz Olivon | De São Paulo