SOJA – Abiove prevê queda de 6,5% na receita das exportações de soja

Os embarques do grão devem crescer 1,5% e atingir o volume recorde de 53,8 milhões de toneladas, enquanto o preço médio em dólar deve cair 7,9%

agricultura_soja (Foto: Thinkstock)

A safra brasileira de soja que está em fase de desenvolvimento tem potencial para colheita acima de 100 milhões de toneladas, (Foto: Thinkstock)

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleo de Soja (Abiove) divulgou nesta quarta-feira suas projeções para 2016, que apontam para a colheita de 98,6 milhões de toneladas da oleaginosa e exportações de 53,8 milhões de toneladas, volume 1,5% acima do previsto para este ano.

As projeções da entidade são de queda de 6,5% na receita das vendas externas do grão em 2016, para US$ 18,83 bilhões, devido à previsão de queda de 7,9% no preço médio, projetado em US$ 350 por tonelada, abaixo dos US$ 380 deste ano e dos US$ 509 do ano passado.

saiba mais

Fábio Trigueirinho, secretário-geral da Abiove, explica que o preço de exportação de US$ 509 por tonelada, registrado em 2014, foi “um ponto fora da curva”, pois refletia a quebra da safra norte-americana e o enxugamento dos estoques mundiais. Ele prevê que os preços da soja na Bolsa de Chicago nesta safra devem ficar estáveis entre US$ 8,50 a US$ 9 por bushel.

Na avaliação da Abiove a safra brasileira de soja que está em fase de desenvolvimento tem potencial para colheita acima de 100 milhões de toneladas, “que é um marco histórico importante”. Trigueirinho descarta uma pressão de oferta, lembrando que o consumo na China continua crescendo na faixa de 5 a 6 milhões de toneladas de soja anuais.

Ela acredita que o Brasil continuará como principal fornecedor do mercado mundial, porque tem espaço para expandir o plantio nas áreas de pastagem degradas, enquanto nos Estados Unidos e mesmo na Argentina somente avançando sobre outras culturas.

Carlo Lovatelli, presidente da entidade, diz que o principal desafio do setor é expandir as exportações de produto de maior valor agregado. A Abiove calcula que 60% da soja brasileira é exportada in natura, enquanto na Argentina 80% da safra é processada pela industria local para produção de óleo e farelo.

Lovatelli defende entendimentos entre os governos do Brasil e da China, para estabelecer uma cota de exportação de derivados de soja, em troca de alguma mercadoria de interesse dos chineses. Ele destaca a maior participação do governo chinês no mercado, por meio da compra da participação nas grandes companhias exportadoras, além de expandir seu parque industrial com a entrada em funcionamento de 9 a 15 modernas fábricas no próximo ano.

Outra preocupação da Abiove diz respeito à questão tributária, como o crédito das empresas estimado entre US$ 2 a R$ 3 bilhões, que não foram pagos pelo governo federal por causa da falta de recursos no Tesouro.

Lovatelli relatou que nesta quinta-feira (3/12) participa de reunião com representantes do governo de Mato Grosso para tratar da questão da tributação do ICMS. Ele explicou que Mato Grosso quer que as indústrias informem se a soja que saiu do Estado foi exportada (neste caso isenta do imposto) ou processada e vendida para o mercado interno, a fim de que possam cobrar o tributo. Ele diz que é impossível determinar o destino na saída da mercadoria, mas ressaltou que o setor está disposto a chegar num acordo para pagar o tributo.

POR VENILSON FERREIRA

Fonte : Globo Rural