.........

Sistema Farsul e Fundação Pró-Sementes divulgam Ensaios de Cultivares de soja safra 2014/2015

.........

Os resultados do trabalho de pesquisa elaborado da Fundação Pró-Sementes em parceria com o Sistema Farsul na safra 2014/2015, foram apresentados nessa terça-feira (18/8), na sede da Farsul em Porto Alegre. O Ensaio de Cultivares em Rede (ECR) de soja da safra 2014/2015 avaliou 76 tipos diferentes de sementes de 10 empresas obtentoras, plantados no estado gaúcho, além de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso. Realizado há oito anos, o estudo avalia o desempenho de novas cultivares de soja registradas e indicadas pelo Zoneamento Agrícola de risco climático, e tem por objetivo orientar o produtor  na tomada de decisão sobre a melhor semente de acordo com as condições e características de sua região, além de orientá-lo sobre o emprego correto de outros insumos na lavoura. No Rio Grande do Sul  foram testadas 66 cultivares  nas cidades de Bagé, Cachoeira do Sul, Dom Pedrito, São Gabriel, Cruz Alta, Não-Me-Toque, Passo Fundo, Santo Augusto, São Luiz Gonzaga e Vacaria e traz dados como produtividade das cultivares em sacos por hectare, altura e ciclo das plantas. 

A iniciativa pode impulsionar a rentabilidade das produções nas regiões onde  ocorreram os testes. Segundo o diretor  Técnico e Administrativo da Fundação Pró-Sementes, José Hennigen, o RS produz hoje uma média de 48 sacos de soja por hectare. “Escolhendo as sementes de acordo com as condições de cada microrregião produtiva, bem como as técnicas corretas, podemos alcançar em breve até 200 sacas por hectare”.

O presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, destaca que as informações do ECR colaboram para agregar mais valor ao trabalho do produtor. “Além de melhorar a rentabilidade, o uso da semente mais adequada pode reduzir o uso de defensivos, aumentando assim a qualidade do grão”. O diretor da Farsul e coordenador das Comissões de Grãos, Jorge Rodrigues, lembrou também que o estudo aponta também alternativas de plantio, como a safrinha, modalidade ainda não difundida no RS. “Na cidade de Santo Augusto, foram testados cultivares desenvolvidas para safrinha , com bons resultados. O mercado gaúcho já pode contar com mais esta alternativa de produção para soja”.

O chefe da Divisão Técnica do Senar-RS, João Augusto Telles, afirmou que o Senar-RS pode ser um aliado na multiplicação das informações e treinamento dos produtores e trabalhadores rurais para o melhor uso das novas tecnologias.

Os resultados completos do estudo estão na publicação “Desempenho de  Cultivares de Soja Indicadas para o Rio Grande do Sul – Safra 2014/2015  estão disponíveis no site da Farsul (www.farsul.org.br) e na página da Fundação Pró-Sementes para o ECR: www.cultivares.com.br. Interessados, também poderão encontrar o conteúdo na sede da Farsul e nos sindicatos rurais do interior.  A partir do próximo ano, o estudo será realizado apenas no Rio Grande do Sul.

Imprensa Sistema Farsul

Fonte: Farsul