.........

Servidores do Incra de São Paulo aderem à greve da categoria

.........

Movimento ocorre após a nomeação do novo superintendente do órgão

Diego Vara

Foto: Diego Vara / Agencia RBS

São Paulo possui hoje 17 mil famílias assentadas

Os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de São Paulo aderiram nesta segunda, dia 2, à greve da categoria. O movimento acontece logo após a nomeação do novo superintende do órgão no Estado, Wellington Diniz Monteiro, que é dirigente do Partido dos Trabalhadores (PT). Os servidores são contra ao que chamam de loteamento político das superintendências do órgão.
O diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Sindiserf) do Estado de São Paulo, Felipe Andrade, afirma que além dos baixos salários as condições de trabalho não são ideais. Além disso, afirma que faltam funcionários.
São Paulo possui 17 mil famílias assentadas, mais de 8,5 mil acampadas e quase sete mil processos que aguardam algum tipo de providência. Com mais da metade dos servidores em greve, a situação tende a piorar. Os produtores rurais também devem ser afetados, pois o Incra também é responsável pela liberação do certificado de Cadastro de Imóvel Rural e Certificação de Georreferenciamento.
PARALISAÇÃO NACIONAL

Os servidores do Incra estão parados desde 8 de junho. De acordo com os grevistas, das 30 superintendências regionais, 25 estão em greve.  Em todo o país, 5,5 mil servidores trabalham no órgão, mas dois mil estão em condições de se aposentar até 2014. Já no Ministério do Desenvolvimento Agrário,  trabalham cerca de mil funcionários e apenas 140 são concursados. O último concurso foi realizado em 2010 e os 400 aprovados ainda aguardam convocação. O prazo que venceria no próximo mês, foi estendido até o final do ano. O funcionários reclamam de falta de pessoal e de infraestrutura para trabalhar e também cobram reajuste salarial.
As superintendências regionais do Incra no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Alagoas, Roraima e Sergipe realizam assembleias nesta segunda para decidir se aderem à greve. O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão afirma que a pauta de reivindicações dos servidores está em análise. Na próxima quarta, dia 4, dia do lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar, em Brasília, servidores de todo o país prometem fazer um protesto na Esplanada dos Ministérios.

Fonte: Ruralbr