.........

Seca nos EUA leva cotação da soja a bater recorde histórico em Chicago

.........

A pior seca dos últimos 25 anos nos Estados Unidos colaborou para que a soja ultrapassasse ontem, pela primeira vez na história, o patamar de US$ 17 por bushel na bolsa de Chicago.

Os contratos com entrega em setembro (que ocupam a segunda posição de entrega, normalmente a de maior liquidez) registraram a máxima de US$ 17,0775 por bushel durante o pregão, e fecharam a US$ 16,9125 por bushel. No vencimento mais curto, para agosto, o maior valor do dia foi ainda mais expressivo: US$ 17,49 por bushel. Até então, o recorde era de US$ 16,49 por bushel, em 3 de julho de 2008.

As preocupações com o clima no Meio-Oeste americano cresceram depois que a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês) divulgou ontem um relatório em que indica que a maior parte do cinturão terá chuvas abaixo da média e temperaturas altas também em agosto, e que o problema se estenderá ao norte e ao oeste, até então menos afetados.

A tensão aumenta porque, entre o final de julho e início de agosto, os plantios entram em enchimento de grãos, quando variações no clima são fatais à produtividade – o milho já passou por seu momento crítico, a polinização, e as perdas já são irreversíveis.

O recorde da soja, no entanto, vem sendo construído desde o fim de 2011, quando o La Niña trouxe seca à América do Sul e derrubou as safras de países como Argentina e Brasil. A forte demanda chinesa ajudou a sustentar as cotações, e a estiagem combinada ao calor nos EUA foram um componente a mais para que se fizesse história ontem. "A tendência ainda é altista, só resta saber qual preço irá coibir a demanda", disse Daniel D’Ávila, analista da Newedge USA.

Embora não tenha quebrado recorde, o trigo também teve desempenho marcante em Chicago. Ontem, os contratos de segunda posição, para dezembro, encerraram a US$ 9,3450 por bushel, o maior valor desde junho de 2008. Pesam sobre o cereal o temor com a quebra da produção na Rússia e na Austrália, e os altos preços do milho. O milho, que vinha de seguidas elevações, fechou em queda, a US$ 7,7850 por bushel, em um movimento de realização de lucros.

A disparada da soja levou o Ministério da Agricultura a elevar seu cálculo para o valor bruto da produção (VBP) da oleaginosa no país em 2012. O ministério passou a considerar que a oleaginosa renderá R$ 57,4 bilhões este ano, quase R$ 10 bilhões a mais que o previsto em junho e montante 3,4% superior ao do ano passado. Se confirmado, o resultado representará um novo recorde histórico.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2758656/seca-nos-eua-leva-cotacao-da-soja-bater-recorde-historico-em-chicago#ixzz21AUmaCH6

Fonte: Valor | Por Mariana Caetano | De São Paulo