.........

Safra de milho dos Estados Unidos cairá 13%

.........

Usda confirma redução na produção norte-americana para menor patamar desde 2006

por Luciana Franco

Ernesto de Souza

A produção de milho dos Estados Unidos foi estimada em 10,7 bilhões de bushels (cerca de 272 milhões de toneladas) nesta quarta-feira (12/9), pelo Relatório Mensal sobre Estimativa de Safra do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda). O volume é 1% menor que o previsto em agosto, e em queda de 13% sobre a safra de 2011. Isto representa a menor produção norte-americana desde 2006.
Com base nas condições das lavouras a partir de 1º de setembro, os rendimentos estão em média em 122,8 bushels por acre, 20% abaixo da média registrada em 2011. Se realizado, este será o menor rendimento médio desde 1995. A área colhida de grãos está estimada em 87,4 milhões de hectares, inalterada sobre as estimativas de agosto, mas em queda de 4% sobre a safra de 2011.
A partir de 2 de setembro, apenas 22% da área plantada de milho foi classificada em boa e excelente condições nos 18 principais estados produtores, uma queda 2% em relação a um mês antes e abaixo de 30% em relação ao mesmo período do ano passado, outros 52% da área cultivada foram classificados em péssimas condições. Já os dados de produtividade indicam o menor número de espigas por hectare desde 2005.
Já a produção de soja foi estimada em 2,63 bilhões de bushels (71,7 milhões de toneladas), em queda de 2% sobre o relatório de agosto e de 14% sobre a safra passada. A área de colheita de soja nos Estados Unidos está prevista em 74,6 milhões de hectares, inalterada sobre a estimativa de agosto, mas 1% menor que a do ano passado.
A produção de algodão está prevista em 17,1 milhões de fardos, em queda de 3% sobre as projeções do mês de agosto, mas em alta de 10% sobre o volume produzido em 2011.
Na avaliação de Pedro Dejneka, analista da Futures Internacional, LLC, o relatório de setembro foi relativamente altista para a soja, uma vez que o mercado estimava que a produtividade da soja viria acima do que o Usda anunciou em agosto, o que não aconteceu. “A realidade na soja ainda é bastante altista, mas ainda poderemos ter alguma pressão devido a colheita nas próximas semanas”, diz Dejneka.
Já no caso do milho, o relatório foi baixista para o curto prazo, uma vez que o Usda não mexeu na área de colheita, o que pegou o mercado de surpresa, e relatou produção acima do esperado. “A situação de estoques, no entanto, está complicadíssima. E muitos analistas acreditam que em outubro o Usda trará os dados reais da safra, da oferta e da demanda”, diz.

*Nota atualizada às 18 horas desta quarta-feira

Fonte: Globo Rural