.........

Saída da crise do arroz está na rotação de culturas

.........

Afirmação é do presidente do Irga, Cláudio Pereira, que abriu o Fórum Canal Rural nesta segunda, dia 1ª

Gisele Neuls | Esteio (RS)

    Juliana Camargos

Foto: Juliana Camargos / Canal Rural

Fórum ocorreu na Expointer

Durante muito tempo o rizicultor foi vítima de sua própria eficiência. Depois de ter atingido níveis excelentes de produtividade, sofreu com uma baixa drástica do preço. Em 2011, o preço da saca de 50 quilos estava em torno de R$ 17, muito abaixo do preço de custo. Hoje os preços se recuperaram bastante, com a saca em torno de R$ 37 no mercado.
• Leia mais sobre o setor do arroz

Mesmo com a melhora nos preços, o presidente do Instituto Rio-Grandense do Arroz (Irga), Cláudio Pereira, alerta: o preço não está alto, em 2011 é que estava muito baixo. Pereira lembra que a crise da qual o setor vem se recuperando nos últimos três anos não é novidade para o setor, pelo contrário, tem sido recorrente.

– Há 25 anos nós tínhamos 650 indústrias de arroz no Rio Grande do Sul, hoje não passam de 250 e as 50 maiores beneficiam 70% do arroz gaúcho. Ou seja, ao longo da nossa história, não só o arrozeiro, mas a indústria também teve sua crise – aponta Pereira.

A solução? Para o presidente do Irga está na rotação de culturas, que além de diversificar as fontes de renda dos produtores, ajuda a reduzir os custos de produção. Pereira diz que a crise do arroz está no modelo tecnológico, centrado na monocultura, que torna o produtor dependente do mercado e dos insumos. Uma vez que se tem muitos produtores plantando a mesma cultura na mesma época, o excesso de oferta do produto no mercado na mesma época deixa o produtor refém do mercado. Além disso, a monocultura dificulta o controle de plantas, insetos e fungos indesejados.

– Essa dependência total que faz com que plantas que antigamente não eram invasoras agora sejam. A rotação de culturas permite quebrar isso e ajuda a reduzir custo. Quem tem reserva de soja agora, por exemplo, não está preocupado com adubação, está com a terra pronta pra plantar arroz – aponta Pereira.

Para apoiar essa conversão tecnológica, o Irga tem investido no desenvolvimento de novas variedades mais produtivas – quatro novas serão lançadas nesta quarta, dia 3, durante a Expointer – e também no desenvolvimento de variedades de milho, soja e sorgo adaptadas para o plantio nas áreas de várzea onde é plantado o arroz no Rio Grande do Sul.

– Milho é estratégico, é uma oportunidade de desenvolvimento de novos setores da agroindústria na Metade Sul do Estado. Se dominarmos milho, soja e sorgo nas terras planas, poderemos dar o grande salto para impulsionar a essa região.

Claudio Pereira participou do Fórum Canal Rural: A crise do arroz foi debelada?, realizado com apoio do Irga nesta segunda, dia 1ª, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). O evento é parte da programação da 37ª Expointer. Participaram também o presidente do Sindarroz, Elton Doeler, e o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles.

CANAL RURAL

Fonte: Ruralbr