.........

Ruralistas fazem pressão para que data da votação do Código Florestal seja definida

.........

Estratégia da bancada ruralista e da oposição do governo decidiram nessa quarta obstruir a Lei Geral da Copa enquanto não houver definição em relação à legislação ambiental

Leonardo Prado

Foto: Leonardo Prado / Divulgação/Câmara dos Deputados

Nessa quarta, o dia na Câmara dos Deputados foi marcado por pressão para que o novo Código Florestal fosse colocado em pauta

A falta de previsão de uma data para a votação do Código Florestal atrapalhou os planos do governo em votar nessa quarta, dia 21, a Lei Geral da Copa. O dia foi marcado por pressão para que o novo Código Florestal fosse colocado em pauta.

Os ruralistas e a oposição fizeram obstrução aos trabalhos do Plenário. Com a falta de quórum, o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), teve que encerrar a sessão extraordinária sem votar a Lei Geral da Copa. A pressão para que seja definida uma data para a votação do Código Florestal continua, e o recado da bancada ruralista foi claro.

– O governo propôs votar a Lei da Copa e dar um prazo para o Código sem definir data. Ficou de estabelecer isso nessa quarta. O que aconteceu? O presidente da Casa colocou em pauta extraordinária a Lei da Copa e esqueceu o Código. Nós queremos saber o que vai acontecer com o Código, por isso, nós vamos fazer todas as tratativas para não deixar votar a Lei da Copa – disse o deputado federal Valdir Colatto (PMDB-SC), coordenador da Frente Parlamentar Agropecuária.

– A grande maioria dos parlamentares e todos os partidos da base aliada do governo têm dificuldades de votar a lei da Copa enquanto nós não definirmos a data da votação do Código Florestal. O ponto que nós estamos cobrando nesse momento é a data. O que nós não queremos é que essa data fique adiada ad eternum – defendeu o deputado federal LuIs Carlos Heinze (PP-RS).

Mesmo assim, o presidente da Câmara optou por colocar a Lei Geral da Copa em votação.

– Não é razoável nós termos obstrução da votação da Lei Geral da Copa em função da votação do Código Florestal, que nós podemos realizar logo ali na frente desde que haja um acordo entre a oposição e o governo, entre o governo e a sua base aliada aqui na Casa. A Lei Geral da Copa é importantíssima para o Brasil. Para o país, é um projeto que não tem nada a ver com o Código Florestal – declarou Marco Maia.

Prevaleceu a estratégia da bancada ruralista e da oposição, que decidiram obstruir a Lei Geral da Copa enquanto não houver uma data para a votação do novo Código Florestal. A iniciativa que foi seguida também por deputados da base aliada.

Sem paciência com os jornalistas, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que não vê constrangimento caso o novo Código Florestal não seja votado antes da Rio+20, a Conferência Mundial sobre Meio Ambiente, que vai acontecer em junho no Rio de Janeiro. A ministra disse que está acompanhando as negociações na Câmara dos Deputados, que não cabe a ela comentar o atraso na votação e que o fundamental é estabelecer uma lei que resolva pendências e avance na preservação ambiental.

Fonte: Ruralbr | Rodrigo Saccone | Brasília (DF)