RURAL NOTÍCIAS – EXPORTAÇÃO – Agronégocio teme que mais estados adotem taxação de grãos como Goiás

Decreto do governo goiano impõe tributação sobre parte de soja e milho exportados, o que vem sendo considerado como ilegal. Mato Grosso do Sul tem tributação semelhante

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Entidades do agronegócio pedem revogação de decreto que tributa exportação de grãos
Nassar rechaça taxação de exportações agrícolas
Goiás perde competitividade com a tributação na exportação de grãos, dizem entidades
Goiás nega que tribute exportações de soja e milho
Entidades do agronegócio têm se posicionado contra o decreto do governo goiano que taxa parte da soja e do milho que são exportados. O receio do setor é que mais estados adotem a medida. Em Mato Grosso do Sul, uma prática semelhante é aplicada aos grãos exportados, e os produtores acham

Goiás é segundo maior estado brasileiro exportador de milho e o quinto no ranking da soja. Em 2015, somados os dois grãos, foram embarcados mais de 7 milhões de toneladas, com receita de quase US$ 2 bilhões. De olho nesse faturamento, o governo do estado resolveu cobrar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os volumes exportados.

De acordo com secretaria de Fazenda de Goiás, as indústrias esmagadoras vão pagar o tributo quando exportarem mais de 60% da produção, e as tradings, sobre o que exceder da cota de 70%.

A Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) pretende entrar com uma ação na Justiça, alegando que a medida é contra a Lei Kandir, que garante a isenção de ICMS a produtos exportados. "Uma boa quantidade da soja ou do milho exportado vai estar tributada. Então vai acontecer: vamos exportar produto tributado", afirma o diretor-geral da entidade, Sérgio Mendes.
Em Mato Grosso do Sul, uma legislação similar à que está sendo implantada em Goiás já existe desde 2002. No estado, 50% da soja e do milho devem ser comercializados no mercado interno e pagar imposto. Se a empresa quiser vender todo produto ao mercado externo, o exportador deve pagar o ICMS antecipadamente e pedir o ressarcimento do valor.

Para Mendes, da Anec, a poítica sul-mato-grossense serve de lição para o setor de outras localidades. Segundo o executivo, “todo mundo” que havia planejado construir fábricas para esmagamento de grãos no estado teria acabado fugindo de lá.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja-MS), Cristiano Bortoloto, afirma que, na prática, as tradings ali descontam a cobrança de impostos nas operações com soja.

“Produtores de Mato Grosso do Sul recebem, em alguns casos, até R$ 3 a menos por saca, em relação aos de Mato Grosso, por exemplo”, afirma Bortoloto, que acredita que a discussão sobre Goiás é uma oportunidade para rever a política tributária em seu estado.

O grande temor das entidades do agronegócio é que mais unidades da federação adotem a taxação. No Rio Grande do Sul, por exemplo, já há um projeto de lei para cobrança sobre grãos exportados.

O economista da Federação de Agricultura do estado (Farsul) Antônio da Luz conta que a proposta ainda não foi protocolada na Assembleia. Ele acredita que os produtores do estado, por estarem muito próximos da Argentina – onde medidas desse tipo também foram aplicadas – conhecem bem os efeitos negativos da taxação sobre a agricultura.

Luz não acha provável que a essa ideia tenha continuidade. “Mas, se um projeto dessa natureza, completamente descabido, eventualmente prosperar, nós vamos vender soja aqui abaixo do custo de produção”, afirma o economista.

Fonte:Canal Rural