RS pode ter perdido mais de 20 mil produtores de leite em cinco anos, estima Fetag

Exigência crescente expõe necessidade de incentivo e preparação, especialmente para os pequenos produtores

Por: Joana Colussi

26/05/2015 – 04h41min

RS pode ter perdido mais de 20 mil produtores de leite em cinco anos, estima Fetag Diogo Zanatta/Especial

Foto: Diogo Zanatta / Especial

Com 97% da produção de leite vinda da agricultura familiar, em áreas de até 20 hectares, o Rio Grande do Sul pode ter perdido mais de 20 mil produtores nos últimos cinco anos.

Leia as últimas notícias de Campo e Lavoura
Indústria aposta em bônus ao produtor para melhorar qualidade do leite

O tamanho do abandono é estimado pela Federação dos Trabalhores na Agricultura no Estado (Fetag-RS), que terá dados oficiais e mais precisos sobre o cenário com a divulgação do Censo do Leite, na sexta-feira.

O desestímulo dos produtores decorre da baixa remuneração do trabalho e do aumento dos custos de produção, agravados por falta de pagamento e falência de empresas, algumas envolvidas em fraudes. Em dois anos, 13 indústrias de leite deixaram de operar ou entraram em recuperação judicial no Estado.

— Muitos produtores buscaram outras formas de sustentar suas famílias, migrando para atividades como a pecuária de corte — exemplifica Márcio Roberto Langer, assessor de política agrícola da Fetag-RS.

Pelos dados da entidade, o Estado tinha pouco mais de 120 mil produtores de leite em 2010. Desde então, o número caiu cerca de 20%. No ano passado, estima-se que 7 mil famílias tenham sido excluídas da cadeia, boa parte em razão de indústrias e pequenos laticínios terem deixado de recolher o produto nas propriedades com volume inferior a 50 litros em locais de difícil acesso. Se nada for feito, estima-se que outros 30 mil produtores abandonem a atividade nos próximos cinco anos.

Mão de obra ainda é gargalo

A baixa rentabilidade, aponta Langer, está associada também à falta de incentivos do poder público. A escassez de políticas voltadas ao setor é retratada no Censo do Leite, conforme o Instituto Gaúcho do Leite (IGL). Segundo a pesquisa, pouco mais de cem dos 453 municípios que produzem leite têm algum tipo de ação de incentivo ao setor.

— Os estímulos estão diretamente ligados à qualificação dos produtores. Sem ações dessa natureza, será muito difícil avançarmos — aponta o diretor-executivo do IGL, Ardêmio Heineck.

Sem incentivos, fica complicado para os produtores fazerem investimentos importantes para melhorar a propriedade, acrescenta Heineck, citando a mecanização da ordenha e o uso de resfriadores de expansão direta.

No censo realizado nos 497 municípios, a mão de obra foi apontada pelos produtores como um dos três principais gargalos, junto com sucessão familiar e escala de produção reduzida.

Profissionalização é caminho para obter melhor resultado

Ao comparar a produção de leite do Brasil e da Nova Zelândia, referência mundial em produtividade, a necessidade de profissionalização brasileira fica ainda mais evidente.
Embora os neozelandeses tenham em média um funcionário para cada 200 animais e no Brasil a relação seja de 20 vacas por trabalhador, os resultados obtidos pelos dois países mostram a importância da eficiência.

— Na Nova Zelândia, todos os produtores são muito profissionais. É diferente do Brasil, onde há muitas variações na atividade — compara Bernard Woodcock, diretor-executivo da Qconz América Latina Consultoria e Treinamento, braço operacional da empresa Quality Consultants of New Zealand.

No Brasil desde 2009 para trabalhar em projetos de boas práticas na fazenda em parcerias entre indústrias brasileiras e a Fonterra — maior cooperativa de laticínios da Nova Zelândia —, Woodcock diz que uma boa produção não depende exclusivamente de genética e tecnologia:

— É preciso organização na propriedade, com um sistema de trabalho mais prático.

As melhorias em eficiência são percebidas em medidas simples, exemplifica Woodcock, que vão dos cuidados no manejo a adequações estruturais — reduzindo assim custos operacionais e com  contratação de mão de obra.

Fonte: Zero Hora