.........

RR2: produtor deve contestar cobrança na moega

.........

Decisão da Justiça do RS suspendeu a cobrança de royalties na moega; Mesmo sem notificação para as empresas, taxação não pode ser feita, afirma defesa dos produtores

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Justiça do Rio Grande do Sul suspende cobrança na moega da soja Intacta RR2 Pro
Produtores gaúchos entram na Justiça contra modelo de cobrança de royalties da Intacta
Aprosoja defende discussão de pagamento de royalties na soja
Monsanto apresenta novo valor dos royalties da soja RR2
No último dia 27, a Justiça do Rio Grande do Sul suspendeu em todo o país a cobrança de royalties na moega da soja RR2, tecnologia da multinacional Monsanto. Uma ação coletiva de produtores conseguiu decisão provisória sobre o fim da taxação dos direitos de propriedade intelectual na hora da entrega da soja para as empresas.

A Monsanto alega que ainda não foi notificada e que o sistema de cobrança segue normalmente. O presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS), Décio Teixeira, diz que a informação não procede. A entidade é uma das entidades que participa da ação coletiva. Teixeira afirma que os relatos dos produtores é que nenhuma cobrança foi efetuada.

Segundo o advogado da ação Néri Perin, caso alguma empresa tente fazer a cobrança de royalties na moega, o produtor deve contestar. Se a compradora  da soja insistir e descontar do produtor, a Monsanto pode ser multada.

– O produtor deve questionar a cobrança, a decisão está no site da Justiça do Rio Grande do Sul e ele pode apresentar o parecer [da Justiça]. A decisão, a partir de publicada no Diário Oficial, passa a valer, mesmo que a outra parte não tenha recebido nenhuma intimação. Peço que o produtor que foi descontado que nos mande a nota fiscal, para adicionarmos ao processo – explica.

Outro lado

A Monsanto, detentora da tecnologia RR2 afirma que não foi notificada até o momento e que o sistema de cobrança é normal. O Canal Rural procurou tradings e cooperativas. Até o momento, só tivemos retorno da Coagrisol, do Rio Grande do Sul, que afirmou que não está fazendo o desconto dos royalties.

Histórico

O juiz Silvio Tadeu de Ávila, da 16º Vara Cível de Porto Alegre, acolheu a ação coletiva da Aprosoja-RS, seis sindicatos rurais do Rio Grande do Sul e as Federações dos Trabalhadores da Agricultura do Paraná e Santa Catarina. Segundo o advogado Néri Perin, a decisão da Justiça se trata de uma ação de antecipação de tutela, em que o juiz dá um parecer prévio até o julgamento da questão.

A briga entre os produtores e a multinacional gira em torno das sementes salvas, que é quando o agricultor produz a própria semente. Na avaliação do presidente da Aprosoja-RS, Décio Teixeira, a empresa interfere na soberania nacional ao querer taxar sobre sementes produzidas pelo agricultor.

– O produtor não pode ser pautado pelos interesses de uma empresa estrangeira. É uma questão de renda, se o produtor paga pela tecnologia na compra, não faz sentido ser cobrado novamente – argumenta.

A Monsanto justifica que não faz cobrança dupla. A empresa alega que a taxação de sementes salvas é uma forma de o produtor renovar o uso de sua tecnologia. A briga entre sojicultores e a multinacional é antiga. Desde 2009, os agricultores contestam a cobrança na moega, na época em que a tecnologia vigente era a RR1. A cobrança foi suspensa por duas safras e, após a cultivar se tornar de domínio público, não foi mais realizada.

Foto: Jonas Oliveira/ANPr

Fonte: Canal Rural