.........

Roubo de insumos gera prejuízo de R$ 455 milhões no país

.........

Tomohiro Ohsumi/Bloomberg

Uma em cada dez empresas que comercializam defensivos e fertilizantes no Brasil sofreu pelo menos um roubo em 2016. Em Minas Gerais e Mato Grosso, o número foi ainda maior: 22% dos distribuidores de insumos tiveram suas mercadorias roubadas ou furtadas. Em Goiás e no Paraná, 17%. O prejuízo médio por empresa foi de R$ 793 mil, o que dá um total de R$ 455,18 milhões ou 1,9% do faturamento do setor – levando em conta que o país tem 5.740 distribuidores -, segundo levantamento da Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (Andav).

Se contabilizadas as perdas com contrabando e falsificações – já divulgadas pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) -, o setor teve prejuízos superiores a US$ 3 bilhões no ano passado.

Tanto os roubos quanto as falsificações cresceram entre 20% e 25% segundo as entidades, na esteira da crise, que reduz o poder de compra dos produtores. Cálculos preliminares do Sindiveg chegaram a apontar 30% de alta nos casos de contrabando, mas as perdas foram um pouco menores. E os crimes estão ligados, diz o coordenador da Andav, Armando Cesar Sugawara. "O produto é roubado das lojas, caminhões ou fazendas para ser diluído e revendido aos produtores". No caso das falsificações, também princípios ativos autorizados são misturados a outros com origem desconhecida.

De acordo com a indústria de defensivos, o produto ilegal custa entre 40% e 50% menos que o registrado. Mas o prejuízo para o setor como um todo é difícil de mensurar porque muitos produtores não fazem queixa de roubo e porque a crise econômica também afetou o faturamento da indústria e dos distribuidores. Conforme o Sindiveg, a indústria teve faturamento de US$ 9,56 bilhões em 2016, 1% menos que no ano anterior. Para a Andav, as vendas somaram R$ 93 bilhões, número referente a comercialização de defensivos, fertilizantes e também medicamentos veterinários e sementes.

O problema, claro, atinge também os transportadores desses produtos e, na ponta final, os produtores agrícolas, que sofrem assaltos em suas fazendas ao mesmo tempo em que outros alimentam este mercado comprando produtos falsificados.

"As quadrilhas que atuam com ingredientes no agronegócio são especializadas, e o crime é encomendado. Já sabem que horário vai passar o caminhão e quais os produtos disponíveis. Segundo informações da polícia, houve até uma migração de ladrões de banco para este setor porque é difícil pegá-los, uma vez que a distância e as estradas vicinais escondem os produtos e os criminosos", diz Alan Rubio, diretor de logística da Cargo X, empresa que trabalha com aplicativo para transporte de carga, nos moldes do Uber e que ingressou no agronegócio em 2016, em Mato Grosso. No Estado, acrescenta, o roubo nos caminhões ocorre sobretudo na BR-163, no sentido de Sinop a Sorriso.

Os dados da Gerência de Combate ao Crime Organizado de Mato Grosso (GCCO) estão desatualizados e contabilizam apenas os crimes de 2015. Naquele ano, as apreensões de produtos contrabandeados ou roubados cresceram 20% sobre 2014, com ênfase entre outubro e dezembro, quando ocorre o plantio da safra de verão.

Secretarias de segurança Pública de outros Estados, como Paraná, Mato Grosso do Sul e Goiás, procuradas pelo Valor, informaram que não têm dados ligados ao agronegócio separadamente. Roubos e furtos de fertilizantes e defensivos entram nas estatísticas de crimes comuns. Nenhum delegado respondeu ao pedido entrevista.

Além da questão financeira, Sugawara, da Andav lembra que o produto falsificado e/ou diluído traz problema para saúde dos produtores, consumidores e afeta o ambiente. "É uma preocupação crescente, mas por enquanto sem sinais de abrandamento". A Andav, Sindiveg e o ProCarga, programa que visa combater todo tipo de roubo de cargas no país, criaram um grupo para estudar a melhor maneira de mitigar a questão, mas ainda não foram tomadas medidas concretas.

Por Fernanda Pressinott | De São Paulo

Fonte : Valor