.........

Revisão de dívidas só virá em 2012

.........

Responsável por 70% da carteira de crédito agrícola no RS, o Banco do Brasil (BB) só irá operacionalizar a nova linha de crédito para renegociação de dívidas da agricultura familiar em 2012. Segundo o gerente executivo da diretoria de Agronegócios do BB em Brasília, João Pinto Rabelo Júnior, as agências só estarão aptas na metade de janeiro. A demora deve-se à complexidade do processo, que envolve 827 mil operações no país, totalizando R$ 4,8 bilhões. No Estado, são passíveis de enquadramento 168 mil contratos (R$ 1,142 bilhão). "Identificamos o público-alvo. Agora, estamos organizando o sistema para que, quando o produtor for ao banco, resolva tudo de uma vez só." A Superintendência do BB no RS iniciou nesta semana levantamento para identificar os clientes potenciais.
A renegociação foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional em 18 de novembro após sete meses de negociações. O refinanciamento tem limite de R$ 30 mil por agricultor, prazo de 10 anos e juro de 2% ao ano. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário, algumas instituições, como o Banco do Nordeste, já realizam a revisão com eficácia.
A confirmação de que o socorro via BB não chegará em 2011 revoltou o setor, que esperava que os inadimplentes pudessem acessar o Plano Safra neste ano. "Não foi o que combinamos. Se o banco não tem estrutura para atender, o problema é do banco. O governo não deveria fazer promessa", disse o presidente da Fetag, Elton Weber. O coordenador da Fetraf Roberto Balen comunicou que a direção se reunirá nos próximos dias para avaliar a situação e não descartou protestos. "Os agricultores não terão como acessar crédito nem contratar o Proagro." Balen demonstrou preocupação com o prazo para adesão (29 de fevereiro de 2012 para adimplentes).
Como paliativo, o BB congelará o status que os produtores tinham em 22 de novembro. Contudo, a medida ajuda apenas os adimplentes. Para os demais, a sugestão é assinar termo de adesão e depositar 3% do valor da dívida para acelerar o processo.

Fonte: Correio do Povo