.........

Reutilização é exemplo em fazenda

.........

Na Fazenda Morena, em Campo Novo do Parecis, toda a água da chuva é reaproveitada. Assim que cai no telhado de um galpão de dois mil metros quadrados, a água vai para um sistema de calhas, interligado a uma espécie de piscina, onde fica armazenada. Dali é reutilizada na pulverização da lavoura. A técnica é seguida à risca pelo produtor Romeu Chiochttea há cinco anos e é um exemplo que mereceu destaque ontem, 22 de março – data em que se comemorou mundialmente o Dia da Água.

A captação acontece no período chuvoso, que na região vai de setembro a abril. Romeu Chiochetta explica que a ideia surgiu como uma maneira de evitar o acúmulo de água da chuva nos pátios da fazenda e isso acabou se tornando imprescindível. "Quando chovia, a água ficava toda acumulada nos pátios. Então, sempre senti aquela inquietação de que poderia reutilizar de alguma forma e foi aí que montei o projeto. Hoje, toda a minha atividade agrícola é feita com água da chuva. Utilizamos o recurso na aplicação de defensivos agrícolas nas lavouras e também na lavagem do maquinário da fazenda", destaca.

Com a técnica, o produtor consegue armazenar quatro milhões de litros de água a cada período de chuvas. Mas, para ele, ainda é pouco e a partir deste ano a captação deve aumentar para 13 milhões de litros, com a construção de um novo silo de quatro mil metros, de onde será retida mais água da chuva. As calçadas também receberam calhas para desviar a água para o armazenamento. Somando tudo, serão 17 milhões de litros d"água captados a cada período chuvoso. "Deste percentual, irei utilizar sete milhões de litros para a agricultura e o excedente irá para a pecuária, no trato do gado".

A iniciativa rendeu-lhe um prêmio da ONG Aliança da Terra e vem despertando a atenção de vários produtores rurais da região, que têm interesse em implantar a técnica em suas propriedades. Além do armazenamento da água da chuva, a Fazenda Morena tem um sistema de coleta seletiva de lixo e plantação de eucaliptos para retirada da madeira que é queimada nos silos de secagem dos GRÃOS. "Precisamos entender que hoje a agricultura não é só plantar e colher. Temos que produzir com sustentabilidade e isso vai muito além da questão econômica. É uma questão ambiental e é o que vamos deixar para as próximas gerações. Afinal, se cuidarmos sempre haverá a terra e os recursos naturais para continuar produzindo e alimentando toda a população", comenta.

O exemplo de Romeu Chiochetta comprova que cada vez mais os produtores rurais estão aliando a produção com a sustentabilidade, desenvolvendo tecnologias sustentáveis que permitem o maior aproveitamento possível das áreas já abertas para a produção. "A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) defende o uso sustentável dos recursos naturais e compreende a necessidade de aliar de forma equilibrada o uso da terra e o respeito ao ambiente", reforça o presidente do Sistema Famato, Rui Prado.

A data – O Dia Mundial da Água foi instituído em 22 de março de 1992, pela Organização das Nações Unidas (ONU), por meio da "Declaração Universal dos Direitos da Água". Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.(com assessoria)

Fonte: DIÁRIO DE CUIABÁ – MT