.........

Restrição ao crédito prejudica fumicultores do país

.........

Tema foi debatido nesta terça, dia 17, na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados

Cláudia Baartsch

Foto: Cláudia Baartsch / Agência RBS

Cultura proporciona alta rentabilidade para produtores

Representantes da cadeia produtiva do tabaco se reuniram nesta terça, dia 17, com parlamentares em Brasília para discutir as recentes restrições impostas aos agricultores. Desde o início do mês, o Banco Central está limitando o acesso ao crédito viaPrograma Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf).
O quórum na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados foi pequeno, com apenas alguns parlamentares e lideranças do setor. Os ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Agrário não mandaram representantes.
— Nós queremos falar com o ministro Pepe Vargas e mostrar a ele a incoerência que temos hoje com 230 mil famílias que produzem fumo. Trinta mil no Nordeste e 200 mil no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, que são os três maiores produtores — pediu o deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS).
Desde o início do mês, o Banco Central só autoriza a concessão de crédito aos fumicultores que tiverem 25% da renda na propriedade proveniente de outras culturas, que não o fumo. Em dois anos esse percentual precisa atingir 45%. A medida faz parte das ações do governo brasileiro para reduzir a produção de tabaco no país e o número de fumantes.
Os agricultores alegam que o ganho com outras culturas não garante renda.
— Infelizmente não tem outra cultura que possa obter essa rentabilidade em uma área tão pequena. Essa é a grande preocupação — afirma o diretor da Associação dos Fumicultores do Brasil, Romeu Schneider.
A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) defende a diversificação, mas de forma gradativa e com mais apoio do governo federal.
— Existem várias alternativas, desde que se faça um processo de diversificação concomitante com a cultura do fumo, ou seja, como forma da somatória de renda, utilização da mão de obra e, principalmente, a busca da melhor condição de vida desses fumicultores — diz o secretário de Política Agrícola da Contag, Antoninho Rovaris.
O ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, deve receber os parlamentares no início de agosto para discutir o assunto.

CANAL RURAL

Fonte: Ruralbr