.........

Programa de fomento estreia na região de Parelheiros

.........

Objetivo é dar apoio técnico e infraestrutura para estimular agricultura familiar e pequenos produtores; entre os consumidores estão as escolas municipais

São Paulo – Considerada a maior produtora de alimentos da cidade de São Paulo, a região de Parelheiros passará a receber uma atenção especial da Secretaria Municipal de Trabalho e Empreendedorismo (SMTE).

Por meio da Coordenadoria de Segurança Alimentar e Nutricional (Cosan), órgão da Secretaria Municipal, foi lançado nesta segunda-feira (5) o Programa de Fomento e Incentivo à Agricultura Paulistana. O objetivo é dar apoio técnico e oferecer mais infraestrutura aos produtores rurais da região. A Cosan contabiliza 403 propriedades de agricultura na cidade. Destas, 350 estão no extremo sul do município (Parelheiros, Capela do Socorro e M’ Boi Mirim, assim delimitadas pelo Plano Diretor de 2014).

Com o programa, os agricultores cadastrados na Casa de Agricultura Ecológica de Parelheiros (CAE), poderão ter acesso a equipamentos disponibilizados gratuitamente pela Prefeitura para o trabalho no campo, como um trator completo e um micro trator, além de utensílios para manejo do solo, como enxada rotativa, carreta agrícola basculante, perfurador de solo, roçadeira e arado hidráulico, entre outros.

Produção agroecológica

Todos os equipamentos poderão ser usados pelos cadastrados mediante agendamento e acompanhamento dos funcionários especializados da secretaria. Tal supervisão irá orientá-los como usar os equipamentos e como evitar a erosão do solo no manejo dos mesmos, uma vez que, apesar da terra e do clima favoráveis, a maioria das produções da região ainda é muito rudimentar e sem preparo para esses tipos de equipamento. "O trator dá uma grande aceleração no trabalho e isso pode dobrar a renda deles em um ou dois anos. Para o município, há uma enorme importância ambiental, ao não usar mais veneno, não contamina o solo e as águas, além de impedir a invasão das áreas de mananciais", afirma o secretário municipal de Trabalho e Empreendedorismo, Eliseu Gabriel.

Além disso, uma orientação será realizada por especialistas para que os produtores se tornem agroecológicos e futuramente orgânicos. Palestras e visitas serão os meios para orientá-los a não utilizar agrotóxicos na produção. Através dessa transição, eles terão a oportunidade de distribuir seus produtos para as escolas municipais de São Paulo que, como prevê a Lei 16.140, obriga a inclusão de alimentos orgânicos ou agroecológicos na merenda. Para isso, foi assinado no evento, a adesão ao protocolo das secretarias de Estado do Meio Ambiente e de Agricultura e Abastecimento, que atesta a transição de sistemas convencionais para agroecológicos.

Segundo ele, a demanda das escolas por esses alimentos é grande. "A Secretaria Municipal de Educação fornece 2 milhões de refeições por dia. Por isso, o que for produzido será vendido e terá uma logística de transporte para levar ao consumidor".

Beatriz Boturão

Fonte : DCI