.........

Produção de ração em ritmo de expansão

.........

Apesar da preocupação com o desempenho da economia brasileira em 2015, a produção nacional de ração tende a crescer 3% no próximo ano, prevê o vice-presidente de executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações), Ariovaldo Zani.

Se essa projeção se confirmar, a produção (incluindo sal mineral destinado a bovinos) chegará a 69,3 milhões de toneladas. De acordo com Zani, a avicultura será, mais uma vez, a principal responsável pelo crescimento.

A expectativa do dirigente é que, devido aos preços mais salgados da carne bovina, o brasileiro continue a optar, como no fim deste ano, por trocar o produto pela carne de frango, o que é positivo para a indústria de ração. No Brasil, o gado é tradicionalmente alimentado a pasto, utilizando menos ração.

Neste ano, a avicultura já puxou o avanço da produção de ração no país, conforme dados divulgados na sexta-feira pelo Sindirações. Ao todo, a indústria brasileira de nutrição animal produziu 67,3 milhões de toneladas de ração em 2014, alta de 4,1% ante as 64,6 milhões do ano passado.

Do total produzido neste ano, as rações para aves responderam por 54,9%, ou 37 milhões de toneladas, o que significou um aumento de 3,6% na comparação com as 35,8 milhões produzidas no ano passado.

De acordo com Zani, esse aumento na produção de ração para a avicultura foi sustentado por um ligeiro crescimento da produção de carne de frango. Conforme estimativa divulgada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a produção brasileira de carne de frango aumentou 2,8% neste ano, somando 12,65 milhões de toneladas.

Além do desempenho da avicultura, o Sindirações também destacou o avanço da produção de ração para bovinos de corte e de leite – que registraram avanço de 6,3%, para 8 milhões de toneladas, segundo o Sindirações. Agregadas pelo sindicato em um número separado, a produção de sal mineral, também destinado a bovinos, cresceu 10% no ano, atingindo 2,2 milhões de toneladas.

No caso da demanda por ração e sal mineral para bovinos, o efeito do clima seco sobre as pastagens foi um dos fatores que estimulou as vendas de ração, na medida em que os pecuaristas tiveram de ampliar o nível de suplementação. Além disso, a alta das cotações do boi gordo, que atingiu patamar recorde neste ano, também favorece a demanda por ração. Capitalizado, o pecuarista pode investir mais em nutrição.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3822346/producao-de-racao-em-ritmo-de-expansao#ixzz3LxxMWknJ

Fonte: Valor | Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo